{lang: 'en-US'}

domingo, 21 de agosto de 2011

Conto - "Rumo"




As luzes ofuscam minha visão, enquanto dirijo até meu lar. Sinto as pálpebras pesando, mas estou feliz. Feliz por ter acabado tudo, feliz por não ter começado com isso.
Sinto os olhos lacrimejarem, efeito do sono por não ter dormido há dois dias. Mas quem precisa dormir?

Sacudo a cabeça para espantar o torpor da sonolência. As placas à minha frente estão embaçadas. Com o antebraço, esfrego os olhos e continuo a dirigir.
Logo, muito logo, estarei em meu destino…
Mais dois minutos dirigindo e estou em uma grande avenida. Mesmo a esta hora (quase três da manhã), o fluxo de carros é grande. Afinal, esta é a “grande” São Paulo, não?
Acelero, motivado pelo desejo de chegar rápido. O velocímetro indica algo em torno de 120 quilômetros por hora. Boa velocidade, penso.
Uma pequena coisa me chama a atenção. Hoje, quase todos os carros estão com películas escuras nos vidros. Muitos dizem que é por proteção, porém a realidade é que elas servem mais para isolar nossa intimidade de outros ao redor. Hoje, vivemos como em uma ilha. Vivemos isolados no carro, no trabalho, no shopping, em casa e em centenas de outros lugares e situações. Isolacionismo é a palavra de ordem. Isolar e sobreviver são as metas atuais.
Sinto um certo desprezo por isto e uma melancolia forte se abate sobre mim. Quantas pessoas morrem em função de tanto isolamento? Quantas pessoas continuam estranhas entre si por causa desta política, deste modo de vida tão mesquinho? Acho que não gosto de compartilhar destas opiniões, mesmo sabendo ter tais atitudes, vez por outra.
Interrompo meus pensamentos por um clarão vindo do farol de um caminhão. Minha visão, já nublada, quase se torna nula. Mais uma lágrima escorre pelo meu rosto.
E logo, muito logo, estarei em meu destino…
Olho para o banco de trás e vejo as pessoas mais importantes da minha vida. Lá estão minha mulher, meu filho e minha filha. Todos lindos. Todos silenciosos.
Claro, o que poderia esperar além do silêncio deles? Hoje não foi um bom dia. Hoje não conversamos direito. Hoje, definitivamente, vivi um dia ruim, muito ruim.
Briguei com Cláudia, minha mulher. Desprezei Jonas, meu filho, que só queria brincar, nada mais. E, por fim, magoei Clarice, minha pequena e linda bonequinha, apenas por estar ocupado demais para lhe dar atenção. No fim, todos queriam apenas atenção e, agora, eu vou lhes dar toda a atenção merecida.
Percebo, pelo retrovisor, que Cláudia está acordando. Também, com tantos solavancos, é impossível permanecer dormindo (cinco comprimidos de Diazepam 20 mg dissolvidos e espalhados na comida, deram conta do recado, certamente até agora). Não quero que ela veja. Não quero que ela se magoe mais.
Fico calmo quando percebo-a retomando o sono. – Graças a Deus, penso em voz alta.
E é aí que avisto meu destino… é aí que avisto nosso destino.
Acelero, saindo da avenida, e subo um grande viaduto. Olho novamente para o velocímetro e estou a mais de 140 quilômetros por hora. – Devem ser suficientes, concluo.
Abruptamente, guino o carro em direção a murada. O choque é muito violento e vejo meu filho passar entre os bancos do motorista e do carona, chocando o rosto contra o pára-brisa. Meu pescoço estala e sinto um torpor agonizante. O frio toma conta do meu corpo, enquanto o corpo de Jonas cai em meu colo, tomado pelo sangue e, paralelamente, o carro começa sua queda no abismo.
As coisas acontecem com muita rapidez. Percebo, instantaneamente, que o garoto está morto. No banco de trás, não consigo ver muita coisa, tamanha a confusão com os corpos de Cláudia e Clarice. Meus óculos sumiram e o mundo fica, brevemente, de cabeça para baixo, enquanto o carro gira no ar. Vejo o concreto da rua se aproximando… ouço gritos… sinto o gosto do sangue em meus lábios.
Enfim, divago, chegamos ao nosso destino. Rápido e definitivo. Definitivo.

←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário