{lang: 'en-US'}

sábado, 17 de março de 2012

Dois brasileiros concorrem ao principal prêmio da literatura infantil




Fonte: Folha. Por Gabriela Romeu

Ilustração de "As patas da vaca", de Bartô
A literatura infantil está em clima de Copa. Nesta segunda, ocorre, na feira literária de Bolonha (Itália), a entrega do prêmio Hans Christian Andersen, espécie de Nobel dos livros para crianças. O Brasil tem dois nomes na disputa: Bartolomeu Campos de Queirós (1944-2012) e Roger Mello.
Nessa premiação, feita de dois em dois anos, ganham um escritor e um ilustrador. Se um dos brasileiros vencer, o Brasil vira tricampeão das letras. A primeira a receber o Andersen foi Lygia Bojunga, em 1982, por livros como "Os Colegas" e "A Bolsa Amarela". A segunda, em 2000, foi Ana Maria Machado, autora, entre outros, de "Bisa Bia, Bisa Bel" e "Raul da Ferrugem Azul".
Ziraldo, Ruth Rocha, Angela-Lago, Nelson Cruz e Marilda Castanha são outros brasileiros já indicados.
Bartolomeu está na categoria de escritor e Roger, de ilustrador. Há autores de 32 países, como Japão, Dinamarca, Turquia e Estados Unidos.
Elisabeth Serra, secretária-geral da FNLIJ (Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil), conta que a literatura brasileira está bem na premiação. A FNLIJ é responsável por indicar os brasileiros ao Andersen. "O texto dos nossos autores tem forte originalidade. Falamos de temas difíceis, como morte e abandono, sempre com uma escrita artística", diz.
Uma das dez juradas do prêmio é Regina Zilberman, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Após analisar obras de todos os indicados, diz chamar a atenção a preocupação com temas polêmicos, como guerra e ambiente.

Autor do Patinho Feio dá nome à premiação

O dinamarquês Hans Christian Andersen (1805-1875), que dá nome ao principal prêmio para autores de livros infantis, não é só o criador de histórias como a do Patinho Feio, da Pequena Sereia e do Soldadinho de Chumbo --o que já não seria pouca coisa. Ele é considerado o "pai" da literatura para crianças. Sua data de nascimento, 2 de abril, virou o Dia do Livro Infantil.
O prêmio Andersen foi criado pela Ibby, organização sem fins lucrativos cuja idealizadora foi a jornalista alemã Jella Lepman (1891-1970), após a Segunda Guerra Mundial. Ela fez a Biblioteca Internacional da Juventude de Munique, a maior biblioteca infantil do mundo, instalada num castelo
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário