{lang: 'en-US'}

sexta-feira, 9 de março de 2012

A eternidade do livro impresso





         A discussão sobre a sobrevivência do livro impresso está muito acesa.  Em parte, é reflexo do que acontece nos países mais desenvolvidos, onde há uma oferta progressiva de e-books.  Aqui entre nós, por enquanto, o crescimento é lento.  Em todo o comércio eletrônico nacional, não há mais de 7 mil títulos disponíveis.  Para se ter ideia da discrepância dos números, só a Amazon conta  hoje com  cerca de 950 mil  títulos.
        Há um pormenor que é próprio do mercado brasileiro: o Kindle começou com um gás assustador, mas não pegou por causa do preço, hoje em 800 reais.  Pelo dobro, pode-se ter um equipamento muito mais completo, que serve para navegar na internet, tirar fotos, gravar vídeos etc. O custo benefício é muito mais atraente.
        Estamos vivendo uma fase de incríveis conquistas tecnológicas, especialmente no campo das comunicações.  O que  não significa a morte das  versões anteriores. Diziam que o rádio acabaria com os jornais; o cinema acabaria com o teatro; a televisão acabaria com o rádio, e a internet acabaria com todas as mídias citadas. Na realidade, nada disso aconteceu.  Convive-se com todas essas manifestações, embora se saiba que a escala é outra: no facebook há 900 milhões de membros, e o twitter abriga 150 milhões de usuários (o youTube tem praticamente tudo).
        Vivemos uma fase de absoluta perplexidade, mas um homem com a experiência do Boni, por exemplo, afirmou, em lançamento recente, que a TV aberta tem um longo futuro à sua frente, desde que se renove e passe a programar atrações ao vivo e promover transmissões diretas.  Devemos estar atentos a essas peculiaridades, para que nada se perca dessas imensas conquistas.
        Fala-se muito nos e-books, mas as grandes companhias brasileiras, tipo Livraria Cultura, não passam de 1% do faturamento na venda de livros eletrônicos. Há uma longa caminhada, com um detalhe que me ocorreu na visita feita à Real Academia de Espanha:  os autores do seu vocabulário têm 90 mil livros impressos sobre linguística, consultados diariamente.  Isso vai desaparecer? Sinceramente, não acreditamos.  E a Biblioteca do Congresso Americano?  E a da Universidade de Berkeley, onde há uma quantidade enorme de livros brasileiros? Quem preconiza o fim disso tudo, sinceramente, está equivocado.
        O que se pode prever é que haja, por muitos e muitos anos, uma coexistência pacífica entre livros de papel e e-books, como antecipou  o escritor Umberto Eco. Segundo ele, somos 7 bilhões no mundo, mas uma parcela  ínfima desse total tem acesso aos computadores.  Vai demorar muito para mudar esse quadro.  Para Umberto Eco, “temos a prova científica de que um livro pode durar 550 anos. Jamais deixaremos de ter, com essas obras, uma relação física, carnal, afetiva.  É muito difícil ler Guerra e paz num e-book.  De mais a mais, a internet não filtra nada – e esse é um mal”.  Estamos certos de que, na nossa geração e possivelmente em  muitas  outras, ainda viveremos na boa companhia dos livros impressos.
Arnaldo Niskier, membro da Academia Brasileira de Letras, é presidente do CIEE/Rio e doutor em educação.
←  Anterior Proxima  → Página inicial

4 comentários:

  1. Gosto dos livros impressos e não consigo imaginar o mundo sem eles, no entanto também venho me adaptando. Tenho lido alguns livros pelas tela do computador. Como foi dito na postagem... Uma coexistência pacífica entre livros de papel e digitais.

    ResponderExcluir
  2. A transição pode até ocorrer, Thiago. Porém, é inegável a importância do livro impresso.
    Às gerações presentes e futuras caberá a escolha entre as duas formas de leitura, o que sempre será muito produtivo, pois ler é um exercício salutar, seja em papel ou na tela.

    ResponderExcluir
  3. Não consigo ler livros no computador, me cansa bastante. Leio só se tiver extrema necessidade. Li alguns livros no meu celular pq na época n tinha dinheiro pra comprar o livro físico, mas agora estou comprando todos. Prefiro o livro mesmo, de papel. Acho que se ganhasse o Kindle, só ia usá-lo pra ler fora de casa e n precisar levar o livro, correndo o risco de amassá-lo, ou algo do tipo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A leitura com o Kindle é bem menos cansativa que a leitura em monitores ou tablets comuns, mas compreendo o que diz. A leitura por meio de um livro é bem confortável e não depende de energia externa (bateria ou energia elétrica).

      Excluir