{lang: 'en-US'}

terça-feira, 27 de março de 2012

Fotos: onde as crianças dormem




Um trabalho fotográfico tocante, pois enfatiza as diferenças sociais através do local onde dormem algumas crianças. As fotos foram feitas em diversas localidades do mundo e refletem não só a condição social relacionada à condição financeira da crianças, mas também as opções culturais. Cabe relembrar que o que consideramos conforto é para outras pessoas uma verdadeira ofensa.
As fotos são de autoria de James Mollison.

Estas fotos são um grande alerta. Nelas, constatamos que a pobreza não depende apenas do país em que se vive - ainda que haja países tipicamente pobres - e que morar bem também não é sinônimo de crescer bem.

O ensaio servirá para pensarmos um pouco mais sobre o que temos e o que realmente necessitamos...

 
Este menino e sua família não têm casa e dormem em um colchão nos arredores de Roma, Itália. A família veio da Romênia, acamparam em terras privadas e foram expulsos pela polícia. A família não possui documentos e nem estudo e não conseguem trabalho legal. No momento limpam pára-brisas nos semáforos.


Jasmine, garotinha americana de 4 anos, coleciona em seu quarto faixas e coroas ganhadas em concursos de beleza infantil.


Lamine, 12 anos, vive no Senegal. As camas são básicas, apoiadas por alguns tijolos. Aos seis anos, todas as manhãs, os meninos começam a trabalhar na fazenda-escola onde aprendem a escavação, a colheita do milho e lavrar os campos com burros. Na parte da tarde, eles estudam o Alcorão. Em seu tempo livre, Lamine gosta de jogar futebol com seus amigos


Tzvika, nove anos, vive em um bloco de apartamentos em Beitar Illit, um assentamento israelense na Cisjordânia. É um condomínio fechado de 36.000 Haredi. Televisões e jornais são proibidos de assentamento. A família média tem nove filhos, mas Tzvika tem apenas uma irmã e dois irmãos, com quem divide seu quarto. Ele é levado de carro para a escola onde o esporte é banido do currículo. Tzvika vai à biblioteca todos os dias e gosta de ler as escrituras sagradas. Ele também gosta de brincar com jogos 


Ahkohxet tem 8 anos, vive na tribo indígena brasileira Kraho no Amazonas.


Joey, 11, mora em Kentucky, EUA, com seus pais e irmã mais velha. Ele acompanha regularmente o seu pai em caçadas. Ele é dono de duas espingardas e uma besta, e fez sua primeira vítima -um cervo- quando tinha sete anos. Ele está esperando para usar sua besta durante a temporada de caça seguinte. Ele ama a vida ao ar livre e espera poder continuar a caçar na idade adulta. Sua família sempre come carne de caça. Joey não concorda que um animal deve ser morto só por esporte. Quando não está caçando, Joey freqüenta a escola e gosta de ver televisão com o seu lagarto de estimação, Lily.


Roathy tem  8 anos,  mora em um lixão nos arredores de Phnom Penh, no Camboja. Seu colchão é feito de pneus.


Kaya tem 4 anos, mora com os pais em um pequeno apartamento em Tóquio, Japão. Seu quarto é cheio de roupas e bonecas.
A menina quer ser um cartunista, quando crescer.

 Dong tem 9 anos, vive na província de Yunnan, no sudoeste da China, com seus pais, irmã e avó. Ele divide um quarto com a irmã e os pais. O garoto, que quer ser policial, gosta de escrever e cantar. Sua família cultiva arroz e cana de açúcar para o consumo.


Thais tem11 anos, mora com os pais e a irmã no terceiro andar de um bloco de apartamentos na Cidade de Deus no Rio de Janeiro, Brasil. Ela divide um quarto com a irmã e sonha em ser modelo.

Que um dia todas as crianças tenham um lugar decente para, pelo menos, repousar...
←  Anterior Proxima  → Página inicial

2 comentários:

  1. Não tem algo que corte mais o coração do que ver uma criança em condições de vida sub-humana. As crianças são a coisa mais pura desse mundo, ao menos deveriam ser...é uma pena que nosso mundo rouba o maior bem das crianças: a infância.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ed, nossas crianças são o bem maior que possuímos. Delas é que tiramos a esperança de um mundo melhor. Realmente é triste ver tantas diferenças no padrão de vida, principalmente pelo fato de sermos uma única espécie vivendo em um mesmo mundo.

      Excluir