{lang: 'en-US'}

quarta-feira, 28 de junho de 2017

'Como nossos pais' é consagrado vencedor do 19º Festival de Cinema de Paris.


Dirigido por Laís Bodanzky e protagonizado por Maria Ribeiro, “Como Nossos Pais” foi o grande vencedor do 19º Festival de Cinema Brasileiro de Paris, com o prêmio de Melhor Filme eleito pelo júri popular. O longa, que estreia no Brasil no dia 31 de agosto, conta a história de Rosa (Maria Ribeiro), que se vê diante de conflitos existenciais quando precisa, ao mesmo tempo, cuidar de suas filhas, manter seus sonho e objetivos profissionais, enfrentar as dificuldades do casamento e lidar com uma relação conflituosa com sua mãe, Clarice (Clarisse Abujamra).
O resultado foi anunciado agora há pouco, na noite de 27 de junho, no tradicional cinema Arlequin, na Rue des Rennes, no coração do bairro de Saint Germain de Près. Laís Bodanzky, que passou a semana em Paris com Maria Ribeiro mas já deixou a cidade, mandou um vídeo agradecendo ao festival e ao público francês. “Queria agradecer toda a plateia que encheu a sala e prestigiou nosso cinema. Isso é muito importante, estou muito feliz”, disse. Logo após a cerimônia de encerramento, o público francês assistiu ao longa Chico, o Artista Brasileiro, de Miguel Faria Jr.
Realizada pela Associação Jangada, da carioca Katia Adler, a 19ª edição da mostra aconteceu de 20 a 27 de junho, exibindo ao longo de uma semana e com sessões sempre lotadas 20 filmes brasileiros: oito documentários fora de competição, oito longas que disputaram o prêmio de Melhor Filme, eleito por voto popular, dois longas na abertura e no encerramento, além da mostra 50 Anos de Tropicalismo.
Kátia Adler ressalta que o objetivo do festival é revelar ao público francês a diversidade do cinema brasileiro autoral. “Além de servir de vitrine do cinema nacional na Europa, o evento tem como objetivo vender os filmes para os distribuidores franceses. Nesses últimos anos, mais de 25 longas entraram no circuito de cinemas da França depois de serem exibidos no festival”, afirma.
OS FILMES EXIBIDOS NO 19º FESTIVAL DE CINEMA BRASILEIRO DE PARIS


ABERTURA
Elis, de Hugo Prata
 
ENCERRAMENTO
Chico, Artista Brasileiro, de Miguel Faria Jr
 
FILMES EM COMPETIÇÃO
Não Devore Meu Coração, de Felipe Bragança
Beatriz, de Alberto Graça
Como Nossos Pais, de Laís Bodanzky
Gabriel e a Montanha, de Fellipe Barbosa
Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé
Para Ter Aonde Ir, de Jorane Castro
Rio Mumbai, de Pedro Sodré e Gabriel Mellin (avant-première mundial)
Redemoinho, de José Luiz Villamarim

MOSTRA 50 ANOS DE TROPICALISMO

Rogério Duarte, o Tropikaolista, de José Walter Lima
Tropicália, de Marcelo Machado
 
DOCUMENTÁRIOS FORA DE COMPETIÇÃO
Outro Sertão, de Adriana Jacobsen e Soraia Vilela
No Intenso Agora, de João Moreira Salles
Menino 23 – Infâncias Perdidas no Brasil, de Belisario Franca
Jonas e o Circo Sem Lona, de Paula Gomes
Martírio, de Vincent Carelli, Ernesto de Carvalho e Tita
Deixa na Régua, de Emílio Domingos
Danado de Bom, de Deby Brennand
São Paulo em Hi-Fi, de Luffe Stephen
 
Outras informações
 - http://festivaldecinemabresilienparis.com/2017/pb/

sexta-feira, 23 de junho de 2017

"A morte te dá parabéns!" Vejam o trailer e pôster do filme.


Em parceria com a Blumhouse Productions, a Universal Pictures lança o primeiro trailer oficial, já legendado, de “A Morte Te Dá Parabéns” (Happy Deathday), thriller dirigido por Christopher Landon.
Curtam nossa fanpage: Apogeu do Abismo

No longa-metragem, a personagem Tree Gelbman (Jessica Rothe), é assassinada por uma pessoa mascarada no dia de seu aniversário. Para descobrir o responsável pelo crime, ela ressuscita várias vezes e se vê presa em um ciclo entre vida e morte até conseguir solucionar seu próprio assassinato. Ela só conseguirá escapar de um destino trágico, quando compreender as reais causas de sua morte, uma verdadeira versão macabra de “Como se fosse a primeira vez”, com Adam Sandler e Drew Barrimore ou “No limite do amanhã”, com Tom Cruise e Emily Blunt.
O filme “A Morte Te Dá Parabéns” estreia em dezembro nos cinemas brasileiros e traz Jessica Rothe, Israel Broussard, Ruby Modine, Rachel Matthews, Charles Aitken e Jason Boyle no elenco.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

O mês de julho tem ótimas novidades pela Netflix.


O mês de julho já tem uma programação sensacional para os assinantes da Netflix. O serviço de streaming disponibilizará desde o já cult Invasão Zumbi (Trem para Busan), as primeiras temporadas das animações Castlevania e One Punch Man, Trash (com Wagner Moura), Jurassic World, Outland, Malévola, Chasing Coral, Os Dez Mandamentos e muitas outras atrações.
Dia 1º de julho: 
Malévola; 
Bob Esponja - Um herói fora d´água; 
Bates Motel - 4ª Temporada; 
Trem para Busan (Invasão Zumbi); 
One Punch Man - 1ª Temporada; 
Disney Nature: Ursos; 
Murilo Couto – Eu, Eu, Murilo; 
Rupaul´s Drag Race - 8ª Temporada; e 
O incrível mundo de Gumball - 4ª Temporada. 

Dia 7 de julho: Castlevania - 1ª Temporada; Luna Petunia - 2ª Temporada; e
Degrassi: Next Class - 4ª Temporada.

Dia 8 de julho:
Trash.

Dia 9 de julho:
Jurassic World: o mundo dos dinossauros.

Dia 10 de julho:
Cidade Cinza.

Dia 11 de julho:
Fome de Poder.

Dia 14 de julho:
Friends from College - 1ª Temporada;
Buddy Thunderstruck: A Pilha do Talvez;
To the bone - O mínimo para viver; e
Chasing Coral - Em busca dos corais.

Dia 15 de julho:
Outlander - 2ª Temporada.

Dia 17 de julho:
Os Dez Mandamentos - 2ª Temporada.

Dia 18 de julho:
Aditi Mittal: Things They Wouldn't Let Me Say (Stand-up)

Dia 19 de julho:
O Atirador - 2ª Temporada.

Dia 21 de julho:
The Worst Witch - 1ª Temporada;
Last Chance U - 2ª Temporada; e
Ozark - 1ª Temporada.

Dia 22 de julho:
O Discurso do Rei.

Dia 22 de julho:
A Incrível Jessica James;
Daughters of Destiny – 1ª Temporada; e
O ano mais violento.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Review de "Tinha que ser ele?". Quando as aparências enganam...


Fazer humor é algo bem difícil. É preciso ter consciência para não ultrapassar a fronteira entre a diversão e a baixaria. Afinal, muitos se valem das piadas mais escatológicas ou explicitamente voltadas ao sexo para tentar tirar risos da plateia.
“Tinha que ser ele?” é uma comédia do início ao fim. Mas, felizmente, não se restringe ao humor para entreter. Há uma bela lição que o espectador irá perceber ao longo da trama. Claro, os risos são garantidos.
Por: Franz Lima. Curta nossa fanpage: Apogeu do Abismo.

NÃO JULGUE UM LIVRO…

A trama é bem simples e já vimos em outras produções similares. Os pais da jovem Stephanie Fleming (a linda Zoey Deutch) descobrem do jeito mais inesperado possível que ela tem um novo namorado. A família da garota decide conhecer esse namorado e se depara com o desbocado Laird Mayhew (James Franco), um milionário desenvolvedor de games responsável pelo sucesso Ape Assassins. Cheio de tatuagens, excêntrico e rico de doer, Laird desperta logo de cara a desconfiança do pai de Stephanie, o ranzinza e superprotetor Ned (Brian Cranston). Apesar disso, o restante da família é logo absorvida pelo carisma e o jeito espontâneo de Laird.
Mesmo com todo o esforço, Laird não consegue ganhar a confiança de Ned. No meio desse impasse ficam Barb (Megan Mullally) a esposa de Ned (cujo instinto diz que o jovem é uma boa pessoa), o filho mais novo da família, Scotty Fleming (Griffin Gluck), cujo potencial é reprimido pelo pai e, claro, a própria Stephanie que tem suas vontades desconsideradas por Ned.
Será que realmente há motivos para temer tanto a presença de Laird na família?

LOUCURA OU HONESTIDADE EXCESSIVA?

Durante todo o filme nós ficamos entre a decisão de que Laird é meio doido ou um cara cuja honestidade em demasia.
A verdade é que preferimos julgar alguém pela aparência. Laird Mayhew é um cara sincero, direto e com um linguajar muitas vezes baixo, o que não implica em dizer que seja alguém ruim. Suas atitudes são, via de regra, baseadas em boas intenções. Ele quer agradar a família da mulher que ama, a todo custo, porém esses ‘excessos’ nem sempre são bem compreendidos.
Assim, por teimosia de um lado (o de Ned) e por falta de noção do outro (o de Laird), um conflito velado tem início. Ned e Laird querem simplesmente agradar a mulher que amam, Stephanie, sem se importarem com a opinião dela. Tudo pra dar errado, concordam?

DIVERGÊNCIAS DE GERAÇÕES.

A falta de diálogo e as diferenças entre gerações são as fontes do entrave entre pai e genro. Ned é muito protetor por enxergar em sua filha a menininha de outrora. Laird está disposto a sacrificar sua própria privacidade para ter por perto as pessoas que sua namorada ama. Nenhum deles está errado, exceto pelo detalhe de ignorarem a opinião de Stephanie.
Em paralelo a isso, na mansão do milionário, a esposa de Ned e seu filho vão redescobrindo a liberdade de agir por conta própria e tomar suas próprias decisões. Não se trata de rebeldia ou afronta ao “modus operandi” de Ned, apenas a recuperação da individualidade em si. Isso porque Barb é uma mulher que descartou algumas das coisas e atitudes que amava em troca da manutenção da família. Seu filho Scotty é uma cópia do pai, porém sem voz ativa e cujos pensamentos e sugestões são descartados.
Ao entrarem em contato com o mundo de Laird – e a liberdade que ele lhes proporciona – os dois ganham espaço e partem para uma retomada de suas individualidades.

MÁSCARAS.

Ned e Stephanie têm uma relação muito forte. Pai e filha se amam, o que não os impede de esconder certos aspectos de suas vidas. Essas “mentirinhas” são o estopim para algumas confusões que podem arruinar o Natal da família e os planos de Laird. Esclarecer os motivos para tais segredos será uma tarefa árdua, cujos resultados podem reforçar os laços familiares ou jogar um balde d´água nessa relação tão bela entre pai e filha.

EXCESSOS NO FILME.

Alguns podem considerar ofensivas as passagens onde palavrões e insinuações sexuais surgem, mas elas estão contextualizadas com a personalidade do personagem Laird. Há pessoas assim que só se manifestam através do exagero, do choque. Apesar disso, logo percebemos que esse traço de sua personalidade não sobrepõe o carisma e a verdade em seus atos.

COADJUGANTES MAIS DO QUE ESPECIAIS.

A presença do divertidíssimo Gustav (Keegan-Michael Key), um governante de luxo da mansão de Lair e também seu personal trainer, é uma diversão à parte no filme. Gustav é um cara supereducado que faz de tudo para ajudar seu patrão e amigo a conquistar a família de Stephanie. Ele e Laird adicionam elementos de comédia pastelão em doses corretas, o que garante ótimos momentos para o público.
A segunda presença especial ficou por conta da secretária eletrônica (ou digital, se preferirem) Justine (a voz da atriz Kaley Cuoco). Ela também é uma âncora para bons momentos da narrativa.
A galera que curte o bom e velho Metal irá pirar com os roqueiros que aparecem no final.

NOTA FINAL.

Tinha que ser ele? é uma comédia bem dosada que cumpre com seu papel de entreter e divertir. Risadas garantidas, reflexões e boas lições permanecem como qualidades do longa-metragem. Apesar de algumas passagens overactor de James Franco, ele é um Laird ideal. Sua parceria com Brian Cranston – o eterno Heisenberg, de Breaking Bad – deu certo demais, assim como a harmonia com os demais integrantes do elenco ficou evidente.
Filme recomendado para acalmar o coração das tensões e dos problemas diários. Vá assistir e rir com essa família sensacional e tão parecida com as famílias da vida real.


segunda-feira, 19 de junho de 2017

Trailer, pôster e primeiras imagens de Detetives do Prédio Azul (D.P.A.), o filme.


D.P.A (Detetives do Prédio Azul) é uma série nacional que faz sucesso desde 2012 e une humor, aventura e seres fantásticos em um prédio comum cuja síndica é uma bruxa. Os detetives em si são três crianças moradoras do prédio. Inicialmente eram Tom (Caio Manhente), Mila (Letícia Pedro) e Capim (Cauê Campos), substituídos gradualmente conforme a adolescência chegava. Hoje, os novos detetives são as crianças Bento (Anderson Lima), Sol (Leticia Braga) e Pippo (Pedro Henrique Motta). Do elenco original da primeira temporada permanecem a síndica e bruxa Leocádia (Tamara Taxman), o porteiro Severino (Ronaldo Reis) e a Vó Berta (Suely Franco). Agora, a Paris Filmes liberou as primeiras imagens do filme, o pôster e também o trailer.
Com direção de André Pellenz e participações especiais de Mariana Ximenes, Otavio Muller, Maria Clara Gueiros, Aílton Graça e George Sauma nos papéis de poderosos bruxos, a produção chega aos cinemas no dia 20 de julho e mostra as novas aventuras de Bento, Sol e Pippo . O trio integra um clubinho secreto para desvendar estranhos acontecimentos do prédio onde moram.

Os Detetives do Prédio Azul estão mais imbatíveis do que nunca. Bento, Sol e Pippo vão unir forças para a maior missão de suas vidas: desvendar um mistério para salvar o prédio azul da demolição. O enigma surge com uma inesperada queda de luz durante a festa de Dona Leocádia (Tamara Taxman).  Além de rachaduras que aparecem nas paredes do edifício, a temida síndica é enfeitiçada e se transforma em uma pessoa boa. As crianças ficam ainda mais desconfiadas quando descobrem que a única testemunha da confusão desapareceu: o quadro falante da Vó Berta.
O trio entra em ação e começa as investigações. Desta vez, Bento, Sol e Pippo saem do famoso prédio azul e também buscam pistas pela cidade do Rio de Janeiro, em um improvisado clubinho móvel: a Kombi azul do porteiro Severino (Ronaldo Reis). Na importante missão, eles contarão com a parceria do atrapalhado porteiro, de Theobaldo (Charles Myara) e dos detetives veteranos Tom (Caio Manhente), Mila (Letícia Pedro) e Capim (Cauê Campos), que já são adolescentes. Mas espionar os suspeitos não será nada fácil: todos são bruxos e têm objetos curiosos, que vão dos relógios que param o tempo até pincéis mágicos. Os caricatos feiticeiros são interpretados por Aílton Graça (Temporão), George Sauma (Pietro), Maria Clara Gueiros (Mari P.), Mariana Ximenes (Bibi Capa Preta) e Otavio Muller (Jaime Quadros). Também estão no elenco Carol Futuro (Sissi), Luciano Quirino (Ptolomeu), Miriam Freeland (Lena) e Sávio Moll (Tomatini).
Com produção da Paris Entretenimento, coprodução da Globo Filmes e do canal Gloob, e distribuição da Paris Filmes e da Downtown Filmes. 
Fiquem agora com algumas imagens e o primeiro pôster do filme...




















PERSONAGENS | ELENCO
Sol - Letícia Braga
Bento - Anderson Lima
Pippo - Pedro Henrique Motta
D. Leocádia - Tamara Taxman
Severino - Ronaldo Reis
Mila - Letícia Pedro
Capim - Cauê Campos
Tom - Caio Manhente
Theobaldo - Charles Myara
Berta - Suely Franco
Jaime Quadros - Otavio Muller
Bibi Capa Preta - Mariana Ximenes
Temporão - Aílton Graça
Mari P. - Maria Clara Gueiros
Pietro - George Sauma
Lena - Miriam Freeland
Ptolomeu - Luciano Quirino
Tomatini - Sávio Moll
Sissi - Carol Futuro

FICHA TÉCNICA

Direção: André Pellenz
Roteiro: Flávia Lins e Silva e L.G. Bayão
Produtores: Sandi Adamiu e Marcio Fraccaroli
Produtores Associados: Juliana Capelini e Rosane Svartman
Produção: Paris Entretenimento
Produtora Executiva: Lili Nogueira
Diretora de Produção: Clara Machado
Coprodução: Gloob, Globo Filmes
Distribuição: Paris Filmes e Downtown Filmes
Produção de elenco: Casa Onze Produções
Direção de fotografia: Julio Costantini
Direção de arte: Claudio Amaral Peixoto
Figurino: Marcelo Pies
Som: Evandro Lima
Montagem: Tuco
Caracterização: Martín Macías Trujillo



"Tudo e todas as coisas" tem um trailer feito só com emojis.


A Warner Bros inovou ao criar um trailer feito apenas com emojis. O filme em questão é "Tudo e Todas as Coisas", baseado no best-seller escrito por Nicola Yoon.
Caso queiram conferir a análise do filme no site parceiro NoSet, fiquem à vontade: review de Tudo e Todas as Coisas.
Agora, curtam esse ótimo trailer que irá lhes dar uma ótima ideia do que o filme aborda. Bom filme e não se esqueçam que a estreia já aconteceu!

sábado, 10 de junho de 2017

Gotham e o mundo ficam mais tristes com a perda de Adam West.


Adam West interpretou o Batman ao lado de Burt Ward, o icônico Robin, durante os anos de 1966 a 1968. Suas interpretações eram engraçadas, leves e ajudaram a edificar o personagem. A série de TV teve pouca duração, mas mesmo assim obteve o respeito pela forma inusitada e divertida com que brindou os fãs do vigilante de Gotham.
Recentemente uma animação foi feita com base na série e contou com as vozes de Adam e Burt nos papéis que os consagraram.
Infelizmente, foi noticiada a morte de Adam West, algo inesperado e chocante para todos. A data confirmada do falecimento foi ontem, 9 de junho, em função de leucemia, doença contra a qual ele travou uma árdua e longa luta.
Adam partiu, porém fica na memória não só sua divertida interpretação do Homem-Morcego, como também sua vontade em viver e continuar trabalhando. Adam West também foi dublador e emprestou sua voz para personagens dos Padrinhos Mágicos, Simpsons e Uma família da pesada.
Nós lamentamos muito essa perda e esperamos que a paz e o conforto possam abraçar os familiares e amigos. Descanse em paz!
Fiquem com algumas memoráveis imagens de Adam como o Batman, além do vídeo de abertura da série.













quarta-feira, 7 de junho de 2017

Trinta dos mais fantásticos cosplays do mundo.



Cosplays são a projeção de nossas fantasias, do desejo de viver aventuras que, normalmente, não somos capazes de viver. Outro fator que torna o cosplay uma arte tão agradável é a possibilidade de interpretarmos papéis sem que sejamos atores. É uma arte em seu estado mais bruto, algo que dá chances de entrarmos no universo dos seres que amamos, ainda que por um curto período.
Por isso, nada mais justo que selecionar e publicar aqui uma relação dos 30 cosplays mais legais que encontrei recentemente. Personagens consagrados, alguns novos e até desconhecidos. Não importa. O que conta, no final, é o prazer da diversão para quem faz o cosplay e para quem os vê. 

Por: Franz Lima. Curta nossa fanpage: Apogeu do Abismo.































Proxima  → Página inicial