{lang: 'en-US'}

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Conto: Perda - Parte II de V





Por: Franz Lima. Curta nossa fanpage: Apogeu do Abismo.

Leia antes a primeira parte: Perda I.


HOSPITAL DO ANDARAÍ – RIO DE JANEIRO...
- E então, o que acha? – questionou o médico ao seu amigo.
- Sinceramente... – olhou o outro nos olhos e, vendo a dúvida, respondeu: - Sinceramente, acho que a melhor coisa a fazermos, é comunicar a família e aguardar os acontecimentos. Para mim, a situação já não depende de nós.
Os dois médicos ficam em silêncio. Há dúvidas atingindo suas mentes. E, em situações como esta, isto não é bom.
- Façamos então isto. – quebrou o silêncio o médico mais velho. – Vamos contatar os familiares e, após, iniciar o processo de transferência deles para a Barra da Tijuca. O pronto atendimento já foi feito e, ao meu ver, o resto cabe aos médicos com mais recursos.
- E a transferência?
- Isso só ocorrerá assim que os familiares autorizarem. Mas tenho plena certeza de que não passará de hoje.
- Deus te ouça. Veja, eles são famosos e ricos e, por isso, daqui a pouco estaremos tomados por repórteres. A situação está precária e, com este alarde, a visão negativa sobre nosso hospital aumentará e, com ela, os recursos diminuirão. Temos poucas verbas e, por Deus, não colaborarei com a perda do pouco que resta.
- Entendo. – disse o médico mais novo, com o olhar de quem não dorme há dias. – Entendo perfeitamente.
- É o que eu espero. Colaboração. – ameaçou.
OS FATOS:
Relato retirado do Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – publicado em 15/05/2004-Sábado.
Acidente na Av. Presidente Vargas.
Foram retirados com vida, os dois ocupantes de um Kadett vermelho que, na madrugada de sexta para sábado, chocou-se contra um Ford Ka. Os ocupantes do Ka (dois homens) faleceram ao dar entrada no hospital e ainda não tiveram seus nomes divulgados. Já o motorista e a acompanhante (identificados apenas por Hans e Ana) deram entrada no Hospital do Andaraí, onde estão até o momento, recebendo tratamentos no Serviço de Terapia Intensiva (STI). Segundo relatos ainda não confirmados, a mulher encontra-se em estado gravíssimo e o motorista teve os pulmões queimados ao aspirar a fumaça do incêndio. A probabilidade de sobrevivência é pequena para ambos, mas o homem depende exclusivamente de um transplante de pulmão para tentar aumentar suas esperanças.
É a tragédia provocada pelo excesso de velocidade tão comum em nossos finais de semana, comentou o autor da matéria.
 15/05/2004 – Sábado – 15:13h.
Nunca pensei em vê-los dessa forma. – desabafa o pai de Ana. – Meu Deus, eles não merecem isso. Não merecem.
- Senhor? – alguém o chama, tocando seu ombro.
- Sim?
- Precisamos conversar sobre a transferência de sua filha e o rapaz para outro hospital. Vocês têm conhecimento do quadro dos dois? – inquiriu o médico.
Com a cabeça baixa, o pai de Ana responde com desânimo: - Sim, já fomos informados...
Ana e eu sempre fomos ligados. Mas, por mais estranho que isso pareça, esse laço parece ter aumentado após sua morte. É tão estranho, sinto-a sempre tão junto de mim. Já não sinto saudades, apenas conforto por tê-la viva em meu coração.
Minhas dores amenizaram. As corporais e as da alma.
 Não consigo mais vê-lo indo ao trabalho, andando ou mesmo triste. Meus olhos só vêem seu corpo deitado no leito do hospital, entubado e respirando por uma máquina.
Estou confusa. O que acontece, não tenho idéia. Vagas lembranças surgem aleatoriamente e, ocasionalmente, uma nova peça do mistério é posta no lugar correto.
Vejo a imagem de meu namorado correndo com o carro. Não estava com medo. Estava até gostando. Daí, só me lembro de um pequeno automóvel à nossa frente. Dor e escuridão.
 CONTINUA...

←  Anterior Proxima  → Página inicial

4 comentários:

  1. Mto curioso... Não demore com as postagens Franz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Novas postagens, hoje, Priscilla. Espero que goste.

      Excluir
  2. Franz, você escreve muito bem mesmo. Eu não gosto muito de histórias românticas, mas a que você está contando me prendeu mesmo! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Ed. Essa é uma história com muito mais tristeza do que romantismo. Mas a parcela de comprometimento e amor, realmente, é forte.

      Excluir