{lang: 'en-US'}

domingo, 11 de março de 2012

Jovem usa salário mínimo para comprar livros pela web




Para os que não acreditam que a leitura aumenta no país:

Com renda de um salário mínimo (R$ 622), Matheus de Almeida, de 17 anos, usa a internet para comprar livros mais baratos. Aprendiz da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o estudante comprou no último domingo (4) as coleções “O Guia do Mochileiro das Galáxias” e “Jogos Vorazes”. “Acabei de gastar R$ 120 em livros. Até que não ficou tão caro. No total são 8 livros”, escreveu Matheus no Twitter, uma das redes sociais que acessa diariamente.

O comércio eletrônico no Brasil fechou 2011 com faturamento de R$ 2,7 bilhões, um crescimento de 26% em relação ao ano anterior, de acordo com dados da empresa de análises e-bit. “O número de usuários que optam por fazer compras pela internet cresceu para 32 milhões. Em 2010, o número era de 23 milhões”, afirma Chris Rother, diretora do e-bit. No primeiro semestre de 2011, 61% dos 4 milhões de novos consumidores que fizeram alguma compra on-line eram da classe C.

O comércio foi destaque nos resultados do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de 2011, divulgados nesta terça-feira (6) pelo IBGE. De acordo com os dados, o setor cresceu 3,4% no ano passado – com um empurrãozinho das vendas de Natal, que levaram o PIB do setor a crescer 0,7% só nos últimos três meses do ano. E, cada vez mais, essas vendas saem das lojas físicas em direção à web.

Computador em casa
Morador da cidade de Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo, Matheus usa em casa um computador comprado pelo pai há quase 4 anos. A irmã, de 21 anos, também adquiriu seu primeiro notebook pela internet com a ajuda da mãe. Os quatro se dividem entre o PC e o portátil. Mas o pai de Matheus, o manobrista Edson Cazarini de Almeida, afirma que os filhos são os maiores usuários dos aparelhos.
Segundo Chris Rother, eletroeletrônicos e computadores é a segunda área mais investida pelos consumidores da classe C no comércio on-line, depois dos produtos de alto valor agregado. Em média, esses usuários gastam R$ 350 em sites.

Matheus usou o cartão de crédito que tem há um ano para comprar as coleções de livros pela internet. “Cheguei a olhar outros sites antes de comprar, mas não fui a nenhuma livraria”, conta. Entre os motivos para o crescimento do comércio eletrônico no Brasil está a facilidade de se obter cartões de crédito e o simples acesso dos usuários à comparação de preços.

“Dois terços dos consumidores da classe C já têm cartão de crédito e utilizam um parcelamento de 24 ou 36 vezes”, explica a executiva do ebit. “O site que tiver um preço muito elevado não irá aparecer no alto das buscas”, completa.

Matheus não lembra a primeira vez que fez uma compra on-line, mas ele já adquiriu pela internet outros livros e um tênis. “Minha mãe ganhou uma vez um cupom para gastar em um site. Consegui usar todo o valor para comprar um tênis de R$ 90”. Sobre a segurança, o estudante diz que nunca teve nenhum problema. “Se eu conheço o site, acho seguro”, diz. Agora, ele aguarda a entrega das duas coleções de livros, que devem chegar em até 14 dias.

Acessos
Mais de 86% dos brasileiros com mais de 15 anos, que estão on-line por meio de um computador em casa ou no trabalho, acessam sites de compras pela web, segundo a comScore, empresa que mede a audiência da internet. "Isso é maior que Holanda, Itália, Espanha e Coreia do Sul”, explica Alex Banks, vice-presidente para América Latina da companhia. “A média mundial de alcance neste setor é de 72%”.

O número de acessos aos sites de compras no Brasil tem crescido cerca de 2,5 vezes mais rapidamente do que outros endereços da web, segundo dados da comScore. Em janeiro de 2012, foram 41,5 milhões de visitas a sites de vendas on-line contra 31,4 milhões do mesmo período de 2011, um crescimento de 32%.

Banks acredita que as lojas de nichos, como sapatos, por exemplo, no Brasil, têm ajudado para o aumento dos acessos. “Existe muita oferta, os sites de nicho têm preço bom. O brasileiro também usa muito a internet. Por isso o sucesso desses sites aqui”. Banks afirma que, em 2012, a categoria vai continuar crescendo, com o surgimento de sites que vendem produtos de nicho e produtos diversificados. A previsão para 2012, com uma base de usuários maior, é que o faturamento do comércio eletrônico no Brasil cresça 25%, de acordo com os dados da ebit.

Fonte: G1

←  Anterior Proxima  → Página inicial

2 comentários:

  1. Compro a maioria das coisas pela internet, uma grande parte mesmo e sempre com cartão de crédito xD

    ResponderExcluir
  2. As melhores promoções estão na web. Vale citar que há produtos que apenas são vendidos online.

    ResponderExcluir