{lang: 'en-US'}

sexta-feira, 9 de março de 2012

Nova promoção: Deus Ex Machina




Como todos que visitam regularmente o Apogeu sabem, divulgar a cultura é uma das metas deste blog. Assim, após o sucesso da promoção "A menina que roubava livros", chegou a hora de ofertar um novo livro.
Apresento-lhes o livro "Deus Ex-Machina: anjos e demônios na era do vapor" da editora Estronho. Já tenho meu exemplar em mãos e posso garantir que o ganhador lerá um Steampunk de altíssimo nível.
O prefaciador deste livro é o co-fundador do Conselho Steampunk e também da Sociedade RetroFuturista Bruno Accioly. Deus Ex Machina é organizada pelo autor e editor M.D.Amado,  a autora Tatiana Ruiz (também organizadora da Steampink) e o autor Cândido Ruiz.

A Antologia Deus Ex Machina: Anjos e Demônios na Era do Vapor é composta de 13 contos que exploram estes conflitos dentro do universo steampunk. Os autores que fazem parte desta coletânea guiarão o leitor através destas narrativas que flertam com outros estilos da ficção científica e da fantasia.


          Mas, o que fazer para ter este livro na sua estante? Simples e rápido... Diga neste post qual livro da      atualidade poderia ser ambientado na era do vapor (ambientação steampunk) e  como  isso  seria  feito. A melhor resposta irá ganhar um exemplar de "Deus Ex" com três marcadores de  página  personalizados. O que está esperando? Comente com criatividade e seja o vencedor!


Para auxiliar, uma breve definição de Steampunk - via Wikipédia:

Steampunk é um subgênero da ficção científica, ou ficção especulativa, que ganhou fama no final dos anos 1980 e início dos anos 1990. Trata-se de obras ambientadas no passado, ou num universo semelhante a uma época anterior da história humana, no qual os paradigmas tecnológicos modernos ocorreram mais cedo do que na História real, mas foram obtidos por meio da ciência já disponível naquela época - como, por exemplo, computadores de madeira e aviões movidos a vapor. É um estilo normalmente associado ao futurista cyberpunk e, assim como este, tem uma base de fãs semelhante, mas distinta.
O gênero steampunk pode ser explicado de maneira muito simples, comparando-o a literatura que lhe deu origem. Baseado num universo de ficção cientifica criado por autores consagrados como Júlio Verne no fim do século XIX, ele mostra uma realidade espaço-temporal na qual a tecnologia mecânica a vapor teria evoluído até níveis impossíveis (ou pelo menos improváveis), com automóveis, aviões e até mesmo robôs movidos a vapor já naquela época.

RESULTADO DA PROMOÇÃO: 09 de abril. Participem!


←  Anterior Proxima  → Página inicial

15 comentários:

  1. O cara desse filme parece aquele que fazia o harry potter.

    ResponderExcluir
  2. Nunca ouvi falar desse caboclo, qual sua melhor obra??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Velhinho, trata-se de uma coletânea. Contudo, posso garantir, pelo que já li, que é um livro fantástico e muito bem elaborado. Histórias interessantes, acabamento primoroso e a qualidade Estronho. Pode adquirir ou concorrer à promoção sem medo.
      Abração.

      Excluir
  3. Creio que Alice no País das Maravilhas ficaria excepcional ambientado no estilo steampunk, se tornando algo como Alice no País das Engrenagens. A ambientação se daria em grandes cidades cheias de engrenagens, vapor, gentlemen e seus dispositivos, loucas invenções e vários caminhos para a personagem trilhar.
    Alice conversaria com diferentes sujeitos onde eles explicariam coisas sobre o lugar que se encontram, alguma invenção, ou filosofias, as possibilidades seriam enormes; além também da possibilidade dela poder conversar com máquinas, trazendo aquela clássica "loucura" da Alice clássica para esse ambiente, sendo que as máquinas poderiam fazê-la entrar em filosofias da relação homem-máquina, entre outras coisas. Poderia também explorar a dualidade, como se o universo steampunk fosse um sonho, e a Alice tem momentos de lucidez, e momentos em que ela está no sonho, podendo assim oscilar entre os 2, dando uma grande possibilidade de comparação desses 2 universos.

    Luiz Otávio (zforce21@hotmail.com)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Magnífica idéia, Luiz. Alice é um clássico que pode ser ambientado em qualquer época - vide as várias facetas dela em outras produções - ou estilo narrativo. Parabéns e obrigado pela participação.

      Excluir
  4. A história que ficaria sensacional em uma versão Steampunk, na minhã opinião, não é um livro, mas um conto: "O Chamado de Cthulhu" de H. P. Lovecraft. Para conciliar o clima de horror cósmico de Lovecraft com a atmosfera do Steampunk R'lyeh, ao invés de ser uma cidade perdida no fundo do mar, seria uma cidade colossal movida ao vapor cujo alimento são os seres humanos, condenados à queimarem nas fornalhas por toda a eternidade sem terem qualquer chance de obterem o descanso. O grande Cthulhu seria, nesse contexto, uma representação do horror tecnológico e sua faceta mais macabra e sombria que desumaniza o homem, transformando-o em uma máquina e engendrando demônios. Talvez no final das contas algum ser humano fosse conduzido ao mais absoluto estado de loucura após revelar que Cthulhu é um monstro nascido da cobiça humana em querer dominar tudo, até mesmo aquilo que está além de sua capacidade como ser finito e devorar...até mesmo as estrelas!

    ResponderExcluir
  5. Agora sim...
    Ed, sua participação está fantástica. Misturar Lovecraft - especificamente Call of Cthulhu - é muito interessante. Máquinas, monstros, vapor, sangue, todos mesclados em um reino de pesadelos e medo. Steampunk com esse tipo de abordagem seria grandioso.
    Obrigado pelo comentário.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Minha participação será através da ambientalização do livro: Drácula, de Bram Stoker.

    Minha idéia é a evolução da tecnologia a vapor a ponto de permitir a criação deste ícone que é o Drácula em uma forma totalmente mecânica, ou melhor, quase totalmente mecânica. Porém com um roteiro modificado.

    A história poderia começar com a ambição de Leonel Teslak, um cientista militar, na criação de uma máquina assassina, desprovida de sentimentos e obediente aos comandos do exército da federação. Porém, devido à recente perda de seu filho e futura nora em um acidente de zepeling, fica perturbado e acaba incluindo secretamente em seu projeto, um mecanismo que seria capaz de dar sentimentos para a sua criação, os sentimentos de um ser humano, em uma tentativa de reviver seu amado filho. Porém, durante a instalação do novo dispositivo, algo sai terrivelmente errado, e uma figura mais parecida com o Drácula de Bram Stoker é criada. Um ser que possui a aparência de um humano, mas que tráz em suas entranhas de cobre e vapor, armas avançadas e os sentimentos tortuosos criados pelo desespero e loucura de Teslak.

    A partir deste ponto, as possibilidades para um enredo são grandes, por exemplo, este Drácula pode se rebelar e desertar do Exercito para viver uma vida independente. O combustível de seu corpo seria um vapor criado pelo sangue humano (dando a característica do Drácula clássico) de suas vítimas.
    Graças ao novo dispositivo, desenvolveria dupla personalidade, agindo de forma alternada, ora bom e ora mal. A habilidade de sentir poderia dar à parte má de Drácula um certo vício em um tipo específico vítimas ou determinadas formas de assassinato, requintes de crueldade e assim por diante.
    As formas de caça seriam modernas e contariam com vários recursos de uma máquina avançada, como mudança de aparência, armas embutidas, além de uma inteligência artificial singular.

    Este foi um exemplo de uma possibilidade, que seria mais voltada para um tipo investigativo (quem sabe uma participação de Sherlock Holmes? :)) de leitura.

    Bom, modifiquei a estória original do Drácula, mas acho que as mudanças veem para a surpresa dos leitores.

    Kim Braga (kimpbraga@gmail.com)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, eu jamais imaginei algo do gênero. Fiquei surpreso com a criatividade e feliz demais com sua participação. Gostei muito da mistura do Drácula ocm um Astro Boy e máquinas variadas. Há uma pitada de horror, drama e futurismo que, provavelmente, dariam muito certo.
      O único ponto não muito condizente é o do uso de inteligência artificial, o que destoaria um pouco da temática, mas valeu como idéia.
      Bem, obrigado demais pela participação. Desejo-lhe muito boa sorte.
      Até o resultado...

      Excluir
  8. Essa é a capa do livro? Orra! Bela obra de arte! Eu lembro que havia um jogo no Megadrive chamado "Chaos Engine" que tinha esse visual, e era muito legal.

    O que eu achei engraçado ao ler os comentários (além do primeiro que soou nonsense) é que o post pergunta "qual livro da atualidade poderia ser ambientado na era do vapor?", o que me quebraria as pernas, porque embora seja antenado nos lançamentos, minhas leituras são clássicos e biografias...

    Mas pelo que vejo os outros comentadores também lêem clássicos e dou-lhes razão: um clássico é sempre um livro da atualidade.

    Mas de novo frustrei-me ao ver que um sugeriu "Drácula", que é um livro que me ocorreu porque justamente estou lendo, e também por causa dessa febre toda dos vampiros.

    Então vamos ver... Um livro que me marcou muito foi "Viagens de Gulliver". Se divide em quatro partes, sendo as principais a viagem aos "países" chamados Liliput, Brobdingnag e Houyhnhnm. Não sei se a ambientação Steampunk cairia bem em todos, especialmente na terra dos cavalos... A menos que consideremos os cavalos-vapor... (rsrs) Mas poderia ser pensada para o caso de Liliput (vapor em miniaturas seria curioso), e para Brobdingnag, a terra dos gigantes. Um novo país "tecnológico" também poderia ser uma opção.

    Entendo que uma modificação dessas teria que conciliar os sentidos propostos pelo autor com a ambientação. "Gulliver" é uma sátira da sociedade em que Swift viveu, além de uma grande observação sobre a natureza humana; numa ambientação Steampunk poderiam ser consideradas as relações entre homens e máquinas, um pouco como "Tempos Modernos", demonstrando a crueza e a estupidez do ser humano, por meio da frieza das máquinas que ele opera (e pelas quais é operado). Ou então, mostrar que as máquinas podem ser mais humanas que o próprio humano, ou "asimovianamente", tão humanas quanto o homem pode ser.

    Sinceramente reconheço que não fui bem. Acho que os anteriores apresentaram sugestões melhores e mais imaginativas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eduardo, todas as idéias são interessantes. Boa-sorte e até amanhã, quando sairá o resultado.

      Excluir
  9. tem tempo pra participar ainda?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, considerarei os comentários postados até a meia-noite de hoje. Amanhã sai o resultado. Boa sorte.

      Excluir