{lang: 'en-US'}

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Quem tem medo do Orkut?




Fonte: Carta Potiguar. Por Rodrigo Sérvulo

É fato que a inclusão digital modificou toda estrutura hierárquica brasileira, no sentido de que qualquer morador de favela que tenha um mínimo de educação digital pode estar no mesmo lugar (internet) e interagir com Eike Batista. Assim como, usar das mesmas ferramentas que ele. Mas por que o medo da popularização da internet e, mais precisamente, das redes sociais? Por que o ORKUT foi escolhido como um símbolo da “pobreza digital” ou da “digitalização da pobreza”?
A inclusão digital pôs medo àqueles que têm medo da inclusão social e nos mostra o quanto o brasileiro – geralmente a classe média endividada – é preconceituoso.
Digo isso porque antes do Facebook e do Twitter (agora o instagram) serem popularizados, todos nós usávamos o Orkut, com suas comunidades e fóruns (fúteis e úteis, dependendo da triagem de conteúdo de cada usuário) da mesma forma que usamos hoje o Facebook e outras redes sociais, assim como usávamos o fotolog.net (que funciona dentro da mesma lógica do Instagram).
Então, por que o uso do termo “orkutização” para designar algo “ruim, pobre, ralé, esteticamente feio”? Por que esse medo de estar na mesma condição de um “usuário qualquer”?
Para mim, um brasileiro falar que o outro é orkutizado é a mesma coisa que uma pessoa ser filho de uma prostituta, morar em um cabaré e sair na rua chamando todo mundo de filho da puta.  Então, deixem de mimimi, paguem seus iphones comprados em 24x sem juros para não entrar no Serasa e aprendam que rede social não é um espaço hierarquizado, onde só alguns podem usar. Pelo contrário, rede social é aquilo que deve e tem como principal função integrar e difundir informações das mais diversas possíveis.
Não cuspam na rede social que você já amou.
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário