{lang: 'en-US'}

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Como foi o evento de lançamento do livro "Geração Subzero".




Por: Franz Lima
Ontem foi um dia muito especial para mim e, logicamente, para os autores que estão na coletânea "Geração Subzero". O lançamento da coletânea foi um grande sucesso. Muitos autores, amigos e fãs reunidos para comemorar os resultados extremamente positivos do livro.
A iniciativa desta coletânea é do professor e escritor Felipe Pena que reuniu este grupo de autores consagrados pelo público. Os críticos podem não amar seus estilos ou gêneros de escrita, mas os leitores os amam.
O lançamento do livro iniciou com uma palestra proferida pelo presidente da Fundação Biblioteca Nacional, Galeno Amorim, que confirmou as notícias de intercâmbio de tradutores entre o Brasil e outros países, valorização do escritor nacional (através de patrocínio para viagens de divulgação no exterior e tradução das obras), além das criações de bibliotecas em comunidades pobres. Ótimas novidades...
Após as palavras de Galeno, fomos apresentados a Felipe Pena, professor e escritor, responsável pela organização e seleção dos autores da coletânea. Com um orgulho visível, Felipe ressaltou a importância da literatura popular, aquela que está acessível a todos e, principalmente, comprometida com o prazer, o incentivo ao ato de ler. Leituras mais rebuscadas, acadêmicas, tem valor, claro, mas não são as ideais para despertar o desejo de ler em um jovem. A principal função de um escritor e sua obra é proporcionar momentos de entretenimento e sedução pela escrita. Com base nestes preceitos, Felipe organizou a coletânea Geração Subzero (cuja renda arrecadada com a venda do livro será revertida para a ONG Ler é dez, leia favela) unindo 20 autores de estilos e gêneros diferentes, porém com algo em comum: o amor dos leitores. E eles são realmente fantásticos, como descreverei mais à frente.
Otávio Jr, Galeno Amorim e Felipe Pena (palestrantes)
Por fim, Felipe Pena salientou: "Escrever fácil é bem mais difícil do que parece", reforçando algo que eu, como escritor, tenho grande noção. 
Galeno e Felipe, antes de passarem o discurso a Otávio (responsável pela ONG), frisaram: "a Biblioteca Nacional não é um local privativo das elites. Aqui (na BN) o espaço está aberto ao público, não importa qual seja seu nível social. A cultura tem que estar disponível a todos e é uma grande honra ter estas crianças - assistidas pela ONG Ler é dez - e mostrar-lhes uma parcela do que a Biblioteca Nacional pode ofertar. O sorriso em cada rostinho é um presente maravilhoso".
Felipe Pena ressalta a importância da literatura como entretenimento

Em seguida fomos apresentados ao líder da ONG Ler é Dez, Otávio Jr., também autor do livro "O livreiro do Alemão" onde relatou suas dificuldades em montar uma biblioteca no complexo do Alemão no auge dos problemas com o tráfico. Emocionado, Otávio agradeceu a iniciativa e o apoio de Felipe e Galeno, além da colaboração dos autores que aceitaram a proposta de doação de seus direitos autorais para a Ler é Dez. Mesmo falando rapidamente sobre sua trajetória, ainda frisou a importância da divulgação de seu trabalho através do apoio da Biblioteca Nacional e também relembrou a existência da cultura e de talentos nas comunidades menos favorecidas. "Não há apenas violência e hostilidade, temos cultura a mostrar", finalizou Otávio Jr.


Leia a matéria sobre o Otávio publicada na Isto É 

A seguir, Veríssimo Jr. - diretor do projeto teatral "Da Laje" - apresentou-nos a dois atores muito engraçados que fizeram a encenação do conto de Thalita Rebouças. Com muito humor e simpatia, o jovem casal arrancou aplausos da platéia.
Grupo teatral "Da Laje": simpatia e humor

Encerrada a apresentação, todos nos encaminhamos para a área externa da FBN onde teve a seção de autógrafos com os autores presentes. Ninguém se incomodou com as filas para receber seus autógrafos, principalmente por conta da simpatia com que cada autor recebia seus fãs. 
Demorei um pouco a ir para a fila de autógrafos por ter encontrado o Affonso Solano do MRG. Com sua já conhecida simpatia - e paciência -, Affonso fez fotos, conversou comigo e outros fãs, além de fornecer boas dicas sobre podcast, literatura e games. Uma grande surpresa...
Affonso Solano e Franz Lima
Após conversar com o Matador de Robôs, fui finalmente para a fila de autógrafos. Com o livro da Geração Subzero em mãos, coletei uma a uma as assinaturas (sempre com muita alegria e simpatia) dos autores. Presentes ao evento estavam Pedro Drummond, Eduardo Spohr, Luis Eduardo Matta, Estevão Ribeiro, Raphael Draccon, Ana Cristina Rodrigues, Julio Rocha, Carolina Munhóz, Vera Carvalho Assumpção e Janda Montenegro (em ordem de aparição na coletânea). Conversei com cada um deles e obtive palavras de incentivo e o reconhecimento pelo trabalho no Apogeu e os contos que escrevo, algo que me deixou ainda mais feliz por estar presente ao evento. 
Todos, repito, mostraram muita paciência e carinho com o público. Não bastasse terem talentos tão grandes, também são pessoas da mais alta qualidade.
Felipe Pena - o organizador - foi outra grata surpresa, não só pelo conhecimento e reconhecimento da literatura voltada ao entretenimento, mas por ser um cara simpático e com um talento para a escrita muito grande. 
Um destaque deve ser feito: o esforço de Ana Cristina Rodrigues pela revisão da obra e pela alegria em estar presente ao evento. Ana, obrigado pelo livro e pela atenção.
Ana Cristina Rodrigues: agora conhecerei melhor seu trabalho.  Ao seu lado, o escritor Julio Rocha

Bem, fiquem agora com as fotos do evento e, honestamente, recomendo muito que comprem este livro. O conteúdo tem a qualidade de cada um de seus autores e, no mais, estará auxiliando uma iniciativa louvável que é o projeto Ler é Dez. Agradecimentos também aos organizadores do evento pela qualidade e o carinho.


Carolina Munhóz: a fada estava autografando
Vera Carvalho Assumpção, Janda Montenegro, Pedro Drummond, Claudio Schamis (da Viciados em Livros) e Luis Eduardo Matta: autores de grande talento reunidos
Raphael Draccon, Carolina Munhóz e Affonso Solano: autores nacionais da Leya


O Dragão, o Matador de Robôs e o Paladino.



←  Anterior Proxima  → Página inicial

8 comentários:

  1. Oi Franz, bacana a reportagem. Apenas corrigindo algumas informações: Na foto com a legenda: "Vera Carvalho Assumpção, Janda Montenegro, Pedro Drummond, Julio Rocha e Luis Eduardo Matta: autores de grande talento reunidos" eu não estou (Julio Rocha). Na verdade é o Claudio Schamis da Viciados em Livros. Eu estou na foto com a Ana Cristina Rodrigues, onde você coloca "Agora conhecerei melhor seu trabalho". Abraço grande.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Julio, perdoe-me pela falha que, graças ao seu alerta, já está corrigida. Obrigado por prestigiar meu trabalho e espero em breve estar com você e outros autores em uma obra similar.
      Grande abraço e muito sucesso...
      Franz.

      Excluir
  2. Olá Franz, parabéns pela cobertura do evento, ficou show. Gostaria muito de ter ido, mas infelizmente o dia e o horário pra quem mora no interior é complicado, mas estou fazendo o máximo pra divulgar o projeto. Escrevi sobre ele no site em que sou colaborador: http://vidabeta.com.br/dicas-2/geracao-subzero-uma-iniciativa-louvavel-em-prol-da-leitura e pretendo adquirir o livro. Também sou um grande militante da causa "Por uma literatura de entretenimento", creio que por isso me identifiquei tanto com o projeto. Cara, me empolguei, hehe. Franz, continue sempre com o Apogeu, pois ele já é uma grande referência de cultura na internet. Um grande abraço meu amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os agradecimentos são meus, Robson. Também apóio a literatura voltada para o entretenimento, algo compreensível e mais prazeroso ao leitor, pois a literatura inacessível - como bem citou Felipe Pena - é algo sem sentido...
      Um grande abraço e, outra vez, obrigado pelo comentário e o elogio.
      Franz.

      Excluir
  3. Saudações, Franz! Primeiro, meus parabéns por ter ido ao evento, tirado fotos super legais e compartilhar conosco como foi, nossa...minha mente voou longo só de tentar imaginar a atmosfera super envolvente do evento, pois nós, que amamos livros, costumamos mergulhar demais na intensidade dos textos. Eu ficaria tão emocionado ao estado lado-a-lado com tantos forjadores de sonhos que seria difícil falar algo kkkkkkkkkkkkkkk Esse projeto é belíssimos e merece tantos elogios e aplausos quanto os escritores. Acho que acima de tudo a literatura deve nos proporcionar o exercício da imaginação, pois quem movimenta sua mente, tende a enxergar mais longe nesse mundo, assim penso, sinto e vivo. Franz, parabéns também pelo teu blog! Além de amigo, você é um cara que demonstra querer mesmo contribuir com coisas boas para o nosso mundo e lutar pela literatura e artes que complementam é uma delas!

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brother, muito obrigado pelos elogios. Pode ter certeza que sempre buscarei contribuir para a literatura e com os que, como eu, pretendem impor o nome de nossas obras ao mundo. Os escritores nacionais são altamente produtivos e possuem uma qualidade que equipara-se a qualquer outro escritor no mundo.
      Continue com seu trabalho e siga seus sonhos... eles estão cada vez mais próximos, Ed.
      Um grande abraço...
      Franz.

      Excluir
  4. Franz, venho lendo seus trabalhos no Blog a bem pouco tempo. Mas fiquei impressionada com a qualidade dos escritos. Todavia, acho que, no caso deste lançamento, você tietou demais o livro. Veja bem: a maioria dos autores desta coletânea, tirando dois ou três deles, são completamente desconhecidos do público e não vendem como a Record anuncia em sua propaganda. Na verdade, o que o pena fez, foi reunir um grupo de amigos (ele mesmo confessa que a seleção foi pessoal!)para a coletânea. Fico admirada quando vejo uma Biblioteca Nacional patrocinar e colocar sua chancela sobre muitos autores nada representativos, indicando-os para uma ONG que busca incentivar a leitura de boas obras, ao invés de buscar nomes que contribuem para a literatura atual como, por exemplo, Milton Hatoun, Cristovão Tezza, Leticia Wierzchowiski, Raduan Nassar, Miguel M. Abrahão, Lya Luft
    e tantos outros que ainda estão a escrever e que deveriam ser apresentados aos futuros leitores. Aguardo uma resenha sobre eles. Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Clara, concordo que alguns dos autores não são destaque junto ao grande público, entretanto ainda creio que nomes como Eduardo Spohr, André Vianco, Thalita Rebouças, Carolina Munhóz, Pedro Drummond e outros que integram a coletânea são importantes para a literatura brasileira atual. Não há como descartar a eficácia de autores do porte de Lya Luft e Milton Hatoun, porém isso não diminui o valor dos selecionados na Geração Subzero.
    Sim, eu realmente "tietei" um pouco, talvez motivado pela simpatia e o carinho com que fui recebido pelos autores. Honestamente, já presenciei alguns escritores tão frios quanto lápides e, felizmente, não tive esse desprazer com os que por lá interagi.
    Talvez o Felipe Pena tenha usado um pouco do quesito amizade ou desempenho de vendas, o que não me impede de afirmar que, até agora, todos os textos que li são muito bons. Amigos ou não, eu não me arrependo em ter adquirido o exemplar, isso posso confirmar.
    No mais, obrigado pelos elogios e o apoio. Espero que compreenda um pouco da minha empolgação com o post, pois também sou um escritor de literatura fantástica. A resenha sobre os autores que citou virão em breve, é uma promessa.
    Beijos.
    Franz.

    ResponderExcluir