{lang: 'en-US'}

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Divulgação: Paulo Coelho lança "Manuscrito encontrado em Accra"




Fonte: Estadão
RIO DE JANEIRO - O escritor Paulo Coelho lançou nesta quarta-feira, 25, o livro Manuscrito Encontrado em Accra, sua 22ª obra e que contém uma versão própria do célebre pergaminho descoberto em 1974 pelo arqueólogo inglês sir Walker Wilkinson.
O romance, que terá 100 mil exemplares em sua primeira edição, estará à venda nas livrarias a partir desta quarta-feira, 25. O escritor, que já vendeu cerca de 140 milhões de livros em 168 países, tem seu trabalho reproduzido em 73 idiomas.
A data de lançamento da obra foi escolhida a dedo pelo autor devido ao dia de Santiago de Compostela, 25 de julho, e coincide também com o 25° aniversário da publicação "O diário de um mago", sua obra mais famosa, na qual relata uma peregrinação pelo Caminho de Santiago.
Manuscrito Encontrado em Accra é a primeira obra que o autor escreve após passar por uma cirurgia no coração, em janeiro. Paulo Coelho é integrante da Academia Brasileira de Letras e tem mais de 13 milhões de seguidores nas redes sociais.
Em seu novo livro, Paulo Coelho mistura realidade e ficção, narrando uma história do Manuscrito de Accra, que foi escrito em árabe, hebraico e latim. Na obra, contém um relato sobre os conselhos que um sábio grego deu à população de Jerusalém às vésperas da invasão da cidade.
"O livro é baseado em valores e os valores nunca são ficção. Atravessam o tempo", disse Coelho, de 65 anos, ao esclarecer que sua obra não pode ser catalogada nem como história nem como ficção.
"Distinguir fato e ficção é difícil não só para o escritor, mas também para qualquer pessoa. O livro não pretende explicar ou descrever os valores, mas mostrar como as perguntas que tínhamos há mil anos permanecem vivas; como foram explicadas há mil anos e como são explicadas hoje", contou o escritor durante entrevista divulgada pela editora Sextante.
"O verdadeiro conhecimento está nos amores vividos, nas perdas sofridas, nos momentos de crise e na convivência diária com a inevitável morte", completou o escritor, que mora em Genebra desde 2009.
Coelho afirma que o pergaminho existe, que sir Walker Wilkinson também existiu, e que teve acesso ao Manuscrito através do filho do arqueólogo, mas não deu mais informações sobre o assunto.
Segundo o escritor brasileiro, Wilkinson entregou o pergaminho ao Departamento de Antiguidades do Museu do Cairo e pouco tempo depois foi informado de que havia pelo menos 155 cópias do mesmo documento no mundo inteiro.
Porém, as provas de carbono dos especialistas confirmaram que o achado do arqueólogo inglês era o mais próximo ao original, datado em 1307.
"Conheci o filho de sir Walker Wilkinson no natal de 1982 no País de Gales, e recordo que na época ele mencionou o pergaminho, mas ninguém deu importância ao assunto. Em 30 de novembro de 2011, recebi uma cópia do texto. Este livro é a transcrição do Manuscrito Encontrando em Accra", explicou o brasileiro.
Franz says: O livro será um sucesso, não resta dúvida. A única coisa que me aflige é saber se este livro finalmente repetirá a competência e a profundidade de livros como "O diário de um Mago" e "O Alquimista". 
As obras de Paulo Coelho são boas e merecem mais respeito por parte da crítica, porém realmente ainda falta um novo livro com o impacto das obras iniciais do autor. 
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário