{lang: 'en-US'}

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Análise da peça teatral "Rei Ubu". Por Edilton Nunes




O Absurdo louvável...
Por Edilton Nunes - www.stephenking.com.br

Alfred Jarry nasceu em Naval, Mayenne, França, no dia 8 de setembro de 1873. Jarry tornou-se precocemente criativo e ao passo em que sua criatividade aumentava também aumentava sua excentricidade. Com apenas 15 anos aventurou-se, junto com colegas do liceu, a escrever a peça "Rei Ubu", que estreou no ano de 1896 em Paris, provocando grande escândalo. Independente da reação dos parisienses, o fato é que o Rei ubu teve diversas ramificações: "Ubu Cornudo", "Ubu no outeiro" e "Ubu agrilhoado". Entretanto, para a infelicidade de Alfred Jarry, nenhum destes foi representado durante o seu tempo de vida. Assim como o brilhantismo, sua morte também foi precoce. Jarry morreu aos 34 anos, vítima de meningite tuberculosa. Apesar disso, sua obra (que não se resume ao ciclo Ubu) influenciou de maneira muito importante e decisiva o movimento surrealista, o que acabou por criar uma pseudociência que foi denominada de Patafísica (a ciência das soluções imaginárias). Jarry foi um dos pioneiros (senão O pioneiro) do teatro absurdo, explorando novas fronteiras até então inexploradas, abrindo um amplo caminho a ser percorrido pelo teatro moderno.

Jarry viveu a vida desregradamente, sem esperar muito das coisas, de posse de sua bicicleta (novidade aristocrática da época pela qual o próprio Jarry jamais veio a pagar), seu revolver e seu absinto. Compôs várias comédias em verso e em prosa, entre os anos de 1885 e 1888. Entretanto, foi inspirado em seu professor de física, que segundo o próprio era "a encarnação de todo o grotesco que existe no mundo", que Jarry escreveu uma comédia chamada "Les Polonais". Foi essa a primeira versão de Ubu Rei. A peça foi apresentada pela primeira vez em 1894, na casa do casal Alfred (diretor do Mercure de France) e Rachilde Valette. Dois anos depois, mais precisamente no mês de dezembro de 1986, ocorreu a tumultuada estreia de Ubu Rei.

Um pouco mais sobre a Patafísica

Literalmente o termo "patafísica" significa "o que está perto do que está depois da física", em tese é descrita como "ciência das soluções imaginárias e das leis que regulam as exceções". A patafísica se expressa frequentemente através de uma linguagem aparentemente sem sentido, uma maneira anárquica de tentar explicar o absurdo existencial e teria por missão explorar o campo das ideias tão constantemente negligenciado pela física e metafisica (sento a patafísica o oposto desta última).. Além disso, jarry deixa claro que o apóstrofo que precede o nome foi utilizado para evitar o que seria um "trocadilho fácil" (em francês) e faz com que a ciência remonte a Ibícrates o geômetra (Hipócrates de Quíos, um matemático geômetra, nascido em 470 a.C. na ilha de Quíos) e a Sofrotatos o Armênio. O filosofo francês Gilles Deleuze, principalmente em sua obra "Critique et clinique et L’Île Déserte", desenvolveu a ideia de que foi Jarry, ao criar a patafísica, que abriu caminho para a fenomenologia, uma disciplina da filosofia que tem como base o estudo dos objetos e as estruturas da consciência purificada.

O Rei Ubu

(Silhuetas - Mensageiro, Pai Ubu e Mãe Ubu) por Letícia Mariano
A peça tem inicio com Mãe Ubu manipulando Pai Ubu para obter a coroa do Rei Venceslau, para assim tornar-se rainha. O plano é assassinar o rei para usurpar-lhe a coroa, entretanto Pai Ubu reluta (ao menos num primeiro momento) em assassinar a sangue frio o rei da Polônia No segundo ato entra em cena o Capitão Bordadura, personagem que será de vital importância para o desenrolar dos fatos pitorescos narrados por Alfred Jarry. Mãe Ubu convence, por fim, Pai Ubu a levar adiante o plano de assassinar o rei da Polônia e Pai Ubu promete fazer do Capitão Bordadura o Duque da Lituânia, caso o ajude.

O rei manda chamar Pai Ubu, que teme ter sido descoberto. Entretanto, logo ele se dá conta de que o Rei não suspeita de suas intenções maléficas para com a sua pessoa. Dá-se inicio então a conspiração entre Mãe e Pai Ubu e o Capitão Bordadura, que levará a cabo o Reinado de Venceslau, coroando o novo Rei Ubu.

É no segundo ato que descobrimos que a Rainha, esposa do Rei Venceslau, está ciente dos planos de Pai Ubu e tenta, em vão, alertar o rei para o perigo iminente. No segundo ato também somos apresentados ao personagem de Bugerlau, filho da Rainha e do Rei. Enquanto isso, pai Ubu segue em frente com seu plano de usurpar a coroa do Rei.

É durante uma revista que dá-se o plano de conspiração maléfico, quando Pai Ubu, Junto ao Capitão Bordadura e seus homens (Girão, Pile e Cotice), dão cabo do Rei, roubando-lhe a coroa e matando a ele e a seus filhos Boleslau e Ladislau. Bugeslau, o outro filho do Rei e sua mãe, a Rainha, acabam escapando do ataque e se refugiando em uma caverna nas montanhas. Lá a rainha acaba morrendo e Bugerlau é visitado pelos fantasmas de Venceslau, Boleslau, Ladislau e Rosamundo e seus antepassados. Um deles o presenteia com uma grande espada que será usada como arma para vingar-se de Pai Ubu.
Cia Teatral Boccaccione

Enquanto isso, Pai Ubu conquista a simpatia do povo. Entretanto, logo a simpatia mostrada pelo agora Rei Ubu transforma-se em tirania e Rei Ubu acaba condenando a todos que não concordam com seus ideais ao alçapão; Rei Ubu acaba traindo o Capitão Bordadura, que, não obstante, consegue escapar de sua prisão e se rebela contra o tirano Ubu.
Logo o regime totalitário do novo Rei Ubu passa a apresentar problemas, enquanto mãe ubu conspira secretamente para tomar posse do tesouro do Rei. Pai Ubu é então ludibriado pelo Capitão Bordadura e acaba destronado, refugiando-se em uma caverna na lituania, junto com Pile e Cotice, que se aproveitam de um momento de distração do Rei para abandona-lo a propria sorte, deixando-o ao cair da noite, enquanto Pai Ubu dormia. Coincidentemente Mãe Ubu acaba se refugiando na mesma caverna e na escuridão do lugar se passar por um fantasma e convence pai Ubu a perdoar suas roubalheiras. Porém, Pai Ubu descobre a tempo os planos da audaciosa Mãe Ubu.

Bugerlau chega até a caverna com seus soldados e encurrala Pai e Mãe Ubu. Entretanto Pai e Mãe Ubu acabam conseguindo fugir de Bugerlau. A peça termina com Pai Ubu e os seus fugindo para a Alemanhã em um barco.

O texto extravagante e completamente "non sense" de Alfred Jarry é recheado de referências à Patafísica, desde as características peculiares dos personagens até as situações inusitadas que os mesmos vivem. Pai Ubu, com seus trejeitos peculiares (covarde, usurpador, mesquinho, aproveitador, desonesto e etc), exerce maravilhosamente bem a função de um dos primeiros anti-heróis do teatro. Mãe Ubu não fica atrás. Manipuladora e interesseira ela faz com que Pai Ubu pense que todas as boas ideias provém de sua própria cabeça, o que não é, em absoluto, verdade, já que a mente pensante por detrás da historia é na verdade a da sua esposa. Perspicaz e rasteira como uma cobra, Mãe Ubu consegue realizar praticamente todos os seus desejos (mesmo que temporariamente), e isso inclui; tornar-se rainha e até mesmo fazer com que o Rei Ubu perdoe sua traição e consequente roubalheira.
Uma produção já encenada

A historia de Ubu Rei mostrou-se inovadora e ao mesmo tempo incompreensível, ao menos para a época em que foi escrita. Com mortes, pilhagens, cinismo, maldade e violência em excesso, temperados com pitadas de bom humor e sarcasmo, Ubu Rei é ao mesmo tempo uma história ridícula e divertida, um espelho grotesco e absurdo da iniquidade humana. Fugindo dos padrões ditos como "normais" Ubu Rei torna-se uma das principais representações do significado da patafisica, "O absurdo tentando explicar o inexplicável".
 
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário