Poesia: O Salto... Por Rainier Morilla.


A cada passo desapareço
Só não somem as marcas do passado
Busco teu corpo no meu
Mas só encontro pedaços


São cordas,
Demônios  insistentes,
Do pretérito mais que imperfeito.


A cada degrau que subo
Chego mais fundo no poço
Do alto me procuro
Não me encontro


Só há dor
Uivos dos ventos.
Gilete na pele.


Abro as asas e sinto-me livre pela ultima vez na vida

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas