Pular para o conteúdo principal

Quando o tempo clama por nossos heróis.

Quando o tempo clama por nossos heróis.
Por Franz Lima
 
Não sei como vocês são, suas idades ou o que curtem (exceto as leituras do Apogeu), mas creio que a maioria tem a faixa etária abaixo da minha (estou com 41 anos). Também não sei explicar o que anda passando por minha mente, pois tenho tido uma sensação constante de perda, motivada, em grande parte, pela morte de muitos dos que aprendi a admirar. O tempo continua correndo, indiferente a mim e, durante esse transcorrer, acompanhei muitas despedidas tristes.
Contudo, não apenas as pessoas próximas, familiares, partiram. Diversas personalidades públicas foram levadas pelo tempo, vítimas da inevitável morte.
Chico Anysio, Chico Xavier, Steve Jobs, Eric Hobsbawm, Renato Russo, Michael Clarke Duncan, Millôr, Rogério Cardoso, Ray Bradbury, José Saramago, Nair Belo... são muitos os nomes de pessoas que fizeram parte da minha vida e, contrariando minha vontade, partiram. É inevitável a sensação de saudade que essas mortes criam. Também é i­nevitável a percepção de que somos cada vez mais mortais. Sim, pois quando jovens, a mente e a confiança em nossa "invulnerabilidade" trabalham para que sejamos prepotentes, quase arrogantes.
Ontem (28/11/12), a notícia do estado de saúde de Joelmir Beting me alertou sobre o que falo agora. Novamente a idade avançada, e as sequelas implicadas pelo transcorrer dos anos, causaram-me espanto. É estranho ver ícones, pessoas que admiramos, adoecerem e - em alguns casos - morrerem. Não que haja algo de diferente nisso (todos morreremos), porém é a velocidade com que isso acontece, a forma como inteligências e histórias brilhantes são apagadas de nosso convívio que me assustam. Talvez, inconscientemente, eu tenha medo de que a dama silenciosa também me abrace. É provável que os anos me levem a pensar mais e mais na partida, naquilo que abandonarei contra minha vontade.
Mas quanto conta minha vontade?
Hoje despertei com a notícia da morte de Joelmir Beting. Algo, de certo modo, inesperado. Mas nada do que eu diga pode alterar o fato. Como também nada do que eu faça irá evitar minha morte ou a morte de quem admiro ou amo. Isso é viver. Isso é morrer.
Resta-me apenas viver com plenitude. Aproveitar os bons momentos, aprender com os maus e, com o tempo, descartá-los. Felicidade é a colheita das pequenas alegrias, o somatório delas. Felicidade é aprender com os traumas e obstáculos, mas legar um canto bem escuro do esquecimento para eles.
Cedo ou tarde minha vontade será esquecida e, inevitavelmente, serei convocado para a longa viagem. Contudo, meu legado (tal como os ícones e pessoas que amei deixaram) ficará para os que nutrem amor por mim. Serei muito mais que uma memória, ainda que o tempo faça com que me esqueçam. Quando algo trouxer novamente minha lembrança à tona, então estarei novamente vivo. Que as gerações seguintes aprendam que, um dia, eu amei como cada um que delas faz parte.
O tempo é frio e não poupa ninguém. Mas o calor de quem ama e a saudade que habita corações é forte o suficiente para perpetuar até os mais anônimos. Assim, quando o tempo clamar por nossos heróis ou por pessoas próximas a nós, resta-nos a certeza de que suas histórias podem ficar para sempre vivas... em nós e naqueles que nos sucederem.

Ad Infinitum.



Comentários

  1. Não sei pq, mas me lembrou o seguinte episódio do escriba café:
    http://www.escribacafe.com/podcast-no63-em-busca-de-um-heroi/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não baixei para ouvir, mas o Escriba sempre tem ótimos podcasts...

      Excluir
  2. Há uma frase costumeiramente atribuída a Charles Chaplin que diz o seguinte:

    "A coisa mais injusta sobre a vida é a maneira como ela termina. Eu acho que o verdadeiro ciclo da vida está todo de trás pra frente. Nós deveríamos morrer primeiro, nos livrar logo disso."

    Como ainda não é possível reverter o processo, nem ser mais esperto que a dama de negro, e sabendo que a vida é sempre um romance com um final trágico, então, como bem diz o texto, procuremos ver o lado bom e pensar que se a pessoa morre, seus feitos não se apagam; apenas a tocha poderá continuar a ser conduzida se um dia foi acesa. Na verdade todos esses continuarão vivos na medida que os cultivarmos na nossa própria vida.

    "Sonhe como se fosse viver para sempre, viva como se fosse morrer amanhã." James Dean

    Nós somos como a estrela que brilha: pode ser que nem exista mais, mas a luz ainda pode chegar longe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comentário pertinente, meu amigão. A vida e a morte são tabus em proporções diferentes, mas sempre serão polêmicas ao extremo. Mas o final de sua análise é uma grande dica para os que desejem dar um maior sentido ao seu tempo aqui na Terra.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Film & Arts exibe ‘Ata-me’, de Pedro Almodóvar, estrelado por Antonio Banderas, no próximo domingo (10)

No próximo domingo, dia 10/01, às 22h, o Film & Arts exibe a comédia romântica espanhola, ‘Ata-me’. Produção conta com a trilha sonora de Ennio Morricone (“Era Uma Vez no Oeste”), direção de Pedro Almodóvar, e é estrelada por Antonio Banderas (“A Pele Que Habito”) e Victoria Abril (“Clem”).  Na trama, quando Ricky (Antonio Banderas) sai de um reformatório psiquiátrico e se depara com um set de filmagens, ele coloca uma peruca de homem das cavernas e observa o trabalho de uma conhecida, Marina Osorio (Victoria Abril), uma ex-atriz pornô, com um passado de vícios nas drogas, que costumava trabalhar em um bordel, e que agora iniciou o trabalho nas filmagens de um longa de terror, intitulado como “B”. Decidido a fazer parte da vida da jovem, custe o que custar, Ricky não contém seus impulsos e sequestra a jovem, a amordaçando em seu próprio apartamento. Mas logo, uma série de situações mudam o rumo de seus planos, gerando confusões e levantando suspeitas sobre o desaparecimento da jove

Hoje é dia da live com o maestro João Carlos Martins e convidados. Saibam mais...

Assistir o maestro João Carlos Martins à frente de uma orquestra é um privilégio. Esse privilégio ganha em pertinência quando acrescentamos a essa apresentação as presenças de Tiago Abravanel, Thiaguinho, Paula Fernandes e Déborah Garcia.  A apresentação acontecerá hoje, às 20 horas, no canal do Teatro Bradesco . Será uma apresentação imperdível para toda a família.

Se algo acontecer... Te amo. Review de um belo curta-metragem da Netflix.

Dirigido e roteirizado por Will McCormack e Michael Govier, Se algo acontecer... te amo (If anything happens I love you)  é um curta-metragem de animação que narra a vida de um casal. Até aí, nada demais, mas há algo por trás do relacionamento deles, algo muito ruim. Sem a necessidade de palavras, apenas uma música de fundo, a obra conduz o espectador até o cerne da questão, aquilo que transformou um casal feliz em pessoas distantes. Esse distanciamento é bem representado – logo no início – pela mesa onde ambos jantam; ela é grande, impessoal e mantém cada um em um extremo, separados apenas por uma flor murcha em um vaso tão cinza quanto eles. O que será que levou essas duas pessoas (que optaram por serem parceiros na vida) a se entristecerem ao ponto de quase ruptura? A resposta, indubitavelmente, irá chocar. Emoção e dor. O curta mostra com muita leveza, emoção e beleza, as mudanças ocorridas na vida de um casal que tinha uma filha, aquilo que lhes trazia alegria. Bem cedo o e