{lang: 'en-US'}

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Biblioteca Nacional lança editais para autores e criadores negros




Fonte: FBN.

Franz says: Essa é uma notícia interessante, mas ao mesmo tempo decepcionante. Explico: desde quando alguém compra ou publica um livro em função da cor do escritor? Ser negro, branco, vermelho ou azul não são quesitos para a escolha de uma obra literária. O escritor pode ser dourado, mas se não tiver talento, certamente ficará em um canto obscuro do esquecimento ou do descaso. Arte, talento, não tem coloração. Eu vejo nessa notícia apenas uma coisa: manobra política para agradar um segmento da sociedade. Nada mais. 
 
A Fundação Biblioteca Nacional (FBN/MInC) lança nesta terça-feira, dia 20/11, três editais voltados para criadores e escritores negros. Os editais fazem parte do projeto do Ministério da Cultura (MinC) e da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) de valorização e fomento de produtores, criadores e escritores negros. Os lançamento dos editais faz parte da celebração do Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra. 

Os objetivos dos editais são formar novos escritores, elevar o número de pesquisadores negros e de publicações de autores negros e incentivar pontos de leitura de cultura negra em todo o país de forma a se estabelecer novo paradigma em todas as linguagens apoiadas pelo MinC, com a participação efetiva da população negra brasileira.

O primeiro edital tem como objetivo a seleção de 01 projeto que implante 27 pontos de leitura e desenvolva atividades de mediação de leitura, criação literária, publicação, seleção de acervo e pesquisa que tratem de ações voltadas para a preservação da Cultura Negra e ações afirmativas de combate ao racismo no país.

O segundo edital selecionará até 23 projetos para concessão de bolsas, propostos por pesquisadores e pesquisadoras negras, visando incentivar a produção de trabalhos originais, em território brasileiro, em qualquer uma das áreas e subáreas do conhecimento definidas pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). 

O terceiro edital visa a formação de parcerias para o desenvolvimento de projetos editoriais sob a forma de coedição, a fim de produzir publicações de autores brasileiros negros, na forma de livros, em meio impresso e/ou digital, com o propósito de divulgar, valorizar, apoiar e ampliar a cultura brasileira dos afrodescendentes.

A cerimônia de lançamento dos editais contará com a presença da Ministra da Cultura, Marta Suplicy, do presidente da FBN, Galeno Amorim, do diretor-curador do Museu Afro Brasil, Emanoel Araújo, do presidente da Fundação Cultural Palmares (FCP), Eloi Ferreira, e do presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), Antonio Grassi. O evento será no Museu Afro Brasil, no Ibirapuera, em São Paulo, a partir das 11h. 

Veja aqui o Edital de Pontos de Leitura

Veja aqui o Edital de Apoio a Pesquisadores Negros

Veja aqui o Edital de Apoio à Coedição de Livros de Autores Negros

←  Anterior Proxima  → Página inicial

2 comentários:

  1. Franz, etnia nunca definiu o sucesso de ninguém, quem quer muito algo, consegue independente de sua cor. Isso é uma evidente jogada de políticos que devem estar nem aí para os escritores, mas somente em como isso vai ajudar a melhorar suas imagens públicas. Não consegui sentir alegria em saber dessa notícia.

    ResponderExcluir
  2. Discordo totalmente dessa estratégia de querer combater o racismo com mais racismo. Não é rotulando que vamos superar esses rótulos. Devemos tratar todos igualmente, independentemente da cor. Somos uma nação de mestiços, não de negros ou brancos.

    Eu defendo ações afirmativas de caráter sócio-econômico, e não racial. É preciso ampliar o acesso dos pobres, de forma que eles possam ter oportunidades que apenas os mais abastados podem ter.

    Certamente os "negros" estarão entre os mais pobres, mas não só eles, os "índios", os "brancos", os "idosos", os "jovens", enfim, todos aqueles que por sua condição sócio-econômica, enfrentem dificuldades em produzir e consumir cultura, assim como participar decentemente da vida em sociedade em todos os outros aspectos.

    "I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character." Martin Luther King

    ResponderExcluir