{lang: 'en-US'}

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Resenha da minissérie "Wolverine: Origem".





 Por: Franz Lima. Curta nossa fanpage: Apogeu do Abismo. #apogeudoabismo
O que pensar de uma Graphic Novel que se propõe a contar a origem de um dos mais amados personagens da Marvel? Lembro com exatidão a sensação de temor que rodeou o lançamento da minissérie. Muitos achavam impossível a tarefa de conceder um passado para Logan. Mas os medos foram infundados...
Origem é uma HQ tão boa quanto influente. De suas páginas - e do sucesso que ela teve - veio a coragem para transformar o mutante com fator de cura e garras de Adamantium no líder dos X-Men no filme homônimo. Ou alguém ainda crê que Ciclope ou Tempestade foram mais importantes na trilogia? O líder de fato foi Wolverine.
Mas essa não foi a única influência da história. Tempos depois tivemos a quase tragédia conhecida por X-Men:Origens - Wolverine. O filme foi um fiasco para críticos e fãs, mesmo tendo boa parte de sua premissa baseada nos quadrinhos. Entretanto, os excessos e a modificação de alguns personagens tornaram a produção um exemplo a não ser seguido. Há passagens muito interessantes (como as cenas iniciais em que os anos transcorrem e a dupla permanece incólume a eles), mas o cômputo geral é negativo demais para a produção.
Voltando à minissérie, o que temos é basicamente a distante origem do mutante com garras. Honestamente, o trabalho da equipe responsável pela HQ foi tão primoroso que, na primeira parte (são três) a dúvida sobre quem é quem permanece até o final. Mas é uma surpresa bem estruturada e que agradou aos fãs do herói. Há violência e tensão em doses corretas, o que dá maior credibilidade ao desenrolar da trama. 

As edições seguintes mantém um apuro incrível. A colorização de Richard Isanove é extremamente linda, dando vida aos traços marcantes de Andy Kubert, todos embasados no enredo escrito por Paul Jenkins. Nessas edições vocês descobrirão um passado realmente antigo de Logan. Também encontrarão um homem sofrido que teve sua memória apagada por um trauma. Mas, o ponto forte da história é a evolução do menino até ele se tornar algo muito mais próximo do Wolverine de hoje. Repito: há violência, isso é fato, porém não é a presença de uma violência gratuita. Logan se depara com uma sociedade envolta na rigidez da necessidade de sobrevivência, não importa seu custo. A brutalidade está presente até mesmo nas mulheres, ainda que de uma forma mais branda. Não há lugar para os mansos ...

Passado o trauma e a revelação de fatos muito interessantes sobre sua origem, Logan parte para viver em uma cidade pequena, isolado de tudo e todos, tendo como companheira a garota que esteve presente em alguns pontos de sua criação e educação. Esse apoio é ponto fundamental para sua sobrevivência ao ambiente inóspito e, com o passar dos anos, um amor ganha vulto. Outro fato importante para o desenrolar da história é a amnésia parcial do mutante.
A transição entre o menino e o homem é mostrada de forma crua, principalmente se considerarmos a época em que os fatos são narrados. É durante essa transição que vemos surgir o verdadeiro Wolverine (a explicação para esse codinome é explicada) em toda a sua ferocidade.

Concluo minha resenha não com revelações sobre o que ocorre no final. Não, leitor, você terá que ler para descobrir qual o destino de Logan, pois é esse passado que lhe mostrará o quanto da personalidade do Wolverine está vinculada aos fatos ocorridos e ao seu futuro. Uma observação, entretanto, deixarei para vocês: a história é muito boa (inclusive com a retratação dos preconceitos do momento histórico vivido) e rendeu, inclusive, uma maxissérie que não foi publicada no Brasil. Leiam e se surpreendam com o passado do mutante mais amado da Marvel.


Gostou da resenha? Então, que tal enviar um twitte com a hashtag: "#PaniniApoieoFranz" ?
←  Anterior Proxima  → Página inicial

2 comentários:

  1. Primeiro, parabéns pela escolha da HQ a ser resenha, uma das clássicas, será interessante ler a sua análise, vamos lá...
    Quando vi o início de "X-Men: Origens - Wolverine", imediatamente pensei: Nossa, o filme vai ser baseado na HQ "Origem", legal, mas aí depois começaram umas mudanças que podiam não ter existido e no final das contas fico aquela sensação de algo só na "média". Acho que dar uma origem para o Wolverine é uma missão complicada, com tantas teorias que circulam, uma vez que ele é um dos mutantes mais adorados e os fãs com certeza querem uma origem à altura. Essa, achei fantástica. Como você mencionou, há algumas surpresas sobre a identidade dos personagens. A primeira me deixou boaquiaberto, sério, fiquei me perguntando: "Como assim!?" Depois dessa HQ, passei a admirar ainda mais o Carcaju. Finalmente compreendi a personalidade dele de verdade. Parabéns pela resenha!

    P.S: Essa HQ que não foi publicada no Brasil, qual o nome?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ed, obrigado pelo(s) comentário(s), antes de mais nada.
      Bem, Origem é uma minissérie, já publicada também em versão encadernada, que teve um desenrolar nos EUA através de uma maxissérie chamada Wolverine Origens (ou Origins, no original). Foram publicados ao menos 30 números da revista e nela são retratadas passagens obscuras do passado de Logan e até mesmo fatos relacionados ao filho dele. Recebi ótima recomendações sobre a HQ.
      Espero ter ajudado...
      Abraços.

      Excluir