{lang: 'en-US'}

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Watchmen: adaptação ruim ou filme injustiçado?




Por Franz Lima. Publicado originalmente no Walking in Bookland

Uma adaptação de uma Graphic Novel para um filme é um ato de extrema coragem, principalmente quando a obra adaptada é uma das responsáveis pela reestruturação do modo como se fazia uma História em Quadrinhos. Watchmen, junto com o Cavaleiro das Trevas (Frank Miller) e V, de Vingança (Alan Moore e David Lloyd) é um dos trabalhos que mais influencia os autores de quadrinhos, além de ter colaborado com uma abordagem mais sombria, critica e adulta ao universo dos super-heróis.
Watchmen também é detentor de inúmeros prêmios, figurou na lista da Time como um dos 100 romances mais influentes (fato até hoje não igualado) e é indiscutível sua qualidade narrativa e as múltiplas tramas que estão inseridas em suas páginas. Drama, vingança, morte, vida, medo, guerra (inclusive a Fria) e anti-heróis que tem os mesmos defeitos que qualquer outro ser humano possui. Tudo isso reune-se em Watchmen com maestria, dando-nos uma clara ideia do grau de complexidade de uma sociedade na qual existem seres com poderes e habilidades além da nossa compreensão.
Comprovadamente isso deu muito certo em uma graphic novel (romance gráfico, a grosso modo). A história em torno do mistério sobre o assassinato do Comediante e tudo o que está relacionado a isso é um sucesso incontestável. Então, quais os motivos que levaram a uma demora tão grande para a transposição para a película? E, afinal, o filme dirigido por Zack Snyder foi uma má adaptação ou há um excesso de zelo por parte de fanboys?

Em resposta à primeira pergunta, sobre a demora em transformar um recordista de vendas e uma história em quadrinhos que virou ícone de gerações, em filme para o cinema, muitos foram os motivos para tamanho atraso. Posso citar como principal motivação a tecnologia ainda fraca para comportar tantos elementos que precisavam de efeitos especiais complexos, computação gráfica e captura de movimentos. Todas as tecnologias citadas são relativamente recentes e, ainda hoje, muito caras. Acrescente a isso a dificuldade em transformar em roteiro (condizente com as expectativas dos fãs) uma obra tão complexa e também a resistência dos estúdios para realizar o filme. Alguns diretores até aceitaram a empreitada, porém ou desistiram logo no início, ou sequer deram o primeiro passo. Não seria uma jornada simples... E o relógio para o fim do mundo continuava seu passeio até à meia-noite.



Já no tocante à segunda pergunta (que está dividida em duas), sou suspeito em falar por ser um apreciador do resultado final de Watchmen. Na minha opinião, Zack Snyder foi a escolha correta e ele teve muita alegria em transformar a Graphic Novel em um filme condicente com aquilo que aprendemos a ler e amar. Watchmen recebe até hoje críticas por parte de alguns fanboys, principalmente por conta da mudança dos uniformes. Mas será que eles perceberam que o tom sombrio do filme não combina em nada com pessoas extremamente coloridas? Quando a história foi concluída, Alan Moore era um homem de um tempo diferente do atual. Em 1986, quando Moore iniciou os trabalhos, ele criou seus personagens adequados com os que eram sucesso à época (isso no visual, onde David Gibbons teve papel preponderante), ainda que mais profundos e complexos. As cores não atrapalhavam em nada a trama, porém compreendo a escolha de Snyder por roupas mais escuras, fáceis de se misturar ao ambiente sinistro que ronda todo o filme. 

A trilha sonora
Watchmen surpreendeu demais com a trilha sonora utilizada. Caso não lembrem, 300 (também dirigido por Zack Snyder) teve uma trilha cheia de rock, algo incomum para uma produção sobre o povo espartano. Logo, muitos aguardaram algo similar em Watchmen e que Zack fez questão de contrariar, optando por músicas mais próximas à época em que a trama se passa. Eis o track list completo:

1. Desolation Row - My Chemical Romance 
2. Unforgettable - Nat King Cole Trio
3. The Times They Are A-Changin' - Bob Dylan
4. The Sound of Silence - Simon & Garfunkel
5. Me & Bobby Mcgee - Janis Joplin
6. I´m Your Boogie Man - Kc & The Sunshine Band
7. You´re My Thrill - Billie Holiday
8. Pruit Igoe & Prophecies - Philip Glass
9. Hallelujah - Leonard Cohen 
10. All Along the Watchtower - Jimi Hendrix
11. Ride of the Valkyries - Budapest Symphony Orchestra

Peço especial atenção à poesia que se mistura à violência na cena em que o Comediante é assassinado e também na cena de seu enterro, cada uma, respectivamente, ricamente sonorizada por "Unforgettable" e "The sound of silence". Perfeitas...

A história dentro da história: os contos do cargueiro negro
Não bastasse a complexidade da história em si, Alan Moore acrescentou um ingrediente especial: uma outra graphic novel que é lida por um dos personagens da série. A transição entre a cena final de um trecho de "Os contos..." dá lugar a uma cena de Watchmen, criando uma simbiose incrível entre as duas tramas. A ausência de "Os contos" trouxe um grande incômodo aos fãs mais ardorosos que protestaram. Mas a verdade é que intercalar as duas ambientações seria dispendioso em tempo e dinheiro e, por isso, Zack Snyder optou por lançar à parte, também em DVD, os "Contos do cargueiro negro". A adaptação ficou excelente e retrata com a mesma crueldade a história do homem que atravessa o Oceano em busca de uma vingança, às custas dos corpos de tripulantes do seu antigo navio. A diferença entre esta edição e a impressa está nos tons mais sombrios da história no DVD, que deixou de lado os tons coloridos da HQ e adotou cores vermelhas e alaranjadas para criar um ambiente soturno, dando maior impacto à trama.

Contudo, mesmo com tanto apuro, o fato é que a história de Contos do Cargueiro Negro perdem contexto e força quando separados da trama principal. Para os fãs mais fervorosos, não ver o garoto lendo a HQ é algo decepcionante. Mas vale a pena conferir, não resta dúvida. 

 


O documentário: Sob o capuz


Há uma passagem da HQ que também ficou à parte do filme, a entrevista de Hollis Manson, o primeiro Coruja, chamada na história de "Sob o capuz". Esta passagem é mostrada com atores e vem como extra no DVD dos "Contos do Cargueiro Negro". Tal como na história em quadrinhos, a narrativa oscila entre os anos 80 e o período em que Manson estava em seu auge, integrando o grupo Minutemen. Ponto alto desta obra é a abordagem inocente dos relatos da época em comparação com a época em que vivem os Watchmen. A comparação entre os vilões da década de 40 e as atuais ameaças chegam a trazer nostalgia aos que viveram aquele período. 

Confiram sem medo e preparem-se para uma ótima adaptação de uma passagem que ficou "escondida" diante da grandiosidade dos demais acontecimentos na HQ original. Sob o capuz ganhou visibilidade merecida com esta versão para DVD, algo não encontrado originalmente, já que estava em sua maioria, no formato de texto.


O resultado final em comparação à obra de Alan Moore
Não sei se todos sabem disso, porém é sempre bom ressaltar: Alan Moore não aprova suas histórias sendo adaptadas. Desde que a Liga Extraordinária foi transformada em filme, Moore demonstra um verdadeiro sentimento de ódio por toda e qualquer produção que use material seu.
Com a concordância, ou não, de Alan, a verdade é que, na minha opinião, Watchmen foi um filme injustiçado pelos fãs da série original. Motivados, ou não, pelos comentários do autor, não cabe críticas à uma produção que trouxe com quase total fidelidade algo tão grandioso. A demora em transpor para a tela a Graphic Novel não foi corriqueira, ela se deu por conta de inúmeros entraves e problemas que a grandiosidade do trabalho requeria. Snyder foi o responsável por trazer ao audiovisual esta produção. Pequenos erros são até aceitáveis, principalmente se contarmos o resultado final, o filme em si. As comparações sempre existirão, porém é válido relembrar que o próprio filme é um divulgador da obra de Moore. Ainda não ouvi um único comentário do tipo "não lerei os quadrinhos porque não gostei do filme". Honestamente, creio que, hoje, o filme e seus subprodutos são complementos à Graphic Novel. 



←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário