{lang: 'en-US'}

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Antes de Watchmen - Coruja: resenha da HQ por Filipe Gomes Sena.






Por: Filipe Gomes Sena.
            No ano passado eu soube de mais uma daquelas noticias que deixa todo mundo com os dois pés atrás: a DC publicaria novas histórias com os personagens de Watchmen. Depois de achar que tudo isso poderia dar muito errado eu vi que na verdade as histórias seriam prequências do original, com o foco nos personagens na época em que os heróis mascarados ainda estavam em plena atividade. Não vou dizer que fiquei muito empolgado com a noticia, pelo menos não inicialmente, mas isso mudou um pouco quando eu li algumas coisas sobre. As críticas foram positivas o suficiente para despertar a minha curiosidade. E um ano depois de sua publicação na terra do Obama, chega ao Brasil a primeira das minisséries de Before Watchmen sob o título de Antes de Watchmen - Coruja.
            A minissérie do Coruja foi escrita por J. Michael Straczinski, com arte da dupla Andy e Joe Kubert. Foi  publicada em 2012, assim como as demais, em quatro partes que foram compiladas em um único encadernado, com capa cartonada e em papel especial, vendido a um preço de R$ 12,90. Preço que eu considero justo, já que encadernados com 6 histórias, como o caso de Jonah Hex ou do 100 Balas, tem um preço próximo dos 20 reais. Um detalhe que vale ressaltar é o fato de podermos encontrar o volume com duas capas diferentes, uma com o Coruja sentado numa chaminé e outra com ele acompanhado por Rorschach.
            A história tem basicamente 4 pilares: a origem do personagem Dan Dreiberg, sua infância e sua família desestruturada. Sua relação com o Coruja original, mostrando mais uma vez o conceito apresentado na serie original de que os heróis mascarados eram apenas pessoas muito bem treinadas com fantasias. O inicio da parceria com Rorschach e o envolvimento do nosso herói com uma criminosa.
             A primeira coisa que precisa ser destacada é como a postura do Coruja é diferente da vista em Watchmen. Dan é um herói caído, um homem desmotivado e frustrado. Nessa história é possível ver como era antigamente. Como Dan era um homem diferente, ainda é possível ver o cara que ele viria se tornar, até por que ele ainda é, na essência, o mesmo cara. A segunda coisa que chama a atenção é o relacionamento de Dan com a Dama do Crepúsculo, uma mulher que comanda uma rede de prostituição, que é até um romance que funciona bem dentro da história. Mas quem rouba a cena mesmo é o nosso querido anti-herói com cara de exame psicológico. Rorschach faz boas aparições ao longo de toda a história, acompanhado ou não pelo seu parceiro.
          Eu terminei essa leitura divertida satisfeito. Gosto muito de Watchmen, li a HQ na época que saiu o filme, mas não sou fã alucinado. Fiquei satisfeito por que não houve nada que desrespeitou ou entrou em contradição com a obra original. Inclusive o roteiro é totalmente baseado em referencias que aparecem no original. A Dama do Crepúsculo é citada rapidamente em Watchmen, mas a referencia mais evidente é a famosa placa com os dizeres “O Fim Está Próximo”. A única ressalva que eu faço sobre o roteiro, que recebeu muitas criticas negativas, é o fato de Rorschach provar, mais uma vez, ser um personagem tão forte dentro desse universo que consegue ter grande destaque, inclusive com partes dedicadas apenas a ele, na série que tem como objetivo focar em um outro personagem.
            Quanto à arte não tenho muito a dizer. O traço é bom e combina bem com a história, não chamou tanto minha atenção. Mas vale lembrar que este foi o último trabalho do desenhista Joe Kubert em parceria com seu filho Andy que faleceu em agosto do ano passado. 
            Por fim, cabe dizer que, apesar de não ser obrigatória, Antes de Watchmen - Coruja não deixa de ser uma boa leitura. Porém se você nunca nem ouviu falar de Watchmen, eu recomendo que pelo menos assista ao filme antes de ler essa HQ. A experiência de leitura não chegaria nem perto do que foi se eu não tivesse nenhuma referencia da historia original. Se você for um fã muito xiita de Alan Moore e de Watchmen, talvez seja melhor não ler, vi alguns comentários extremamente negativos desses fãs. Ainda vale lembrar que no fim da revista tem a primeira parte de uma história de... PIRATAS (ouço o som das criancinhas comemorando nesse momento), fazendo uma clara referência aos Contos do Cargueiro Negro, que apareciam no meio dos quadrinhos de Watchmen, mas ao contrario do que foi feito antes, a nova historia não se mescla com a narrativa principal. Foi apenas a primeira parte da Condenação do Corsário Carmesin , poucas páginas, mas o suficiente pra me deixar ainda mais curioso pra ver o que a próxima edição nos reserva.
            No geral eu acredito que, dentro de todas as séries de Antes de Watchmen, esta é uma das medianas. Nunca esperei muito da história do Coruja, até por que ele não é meu personagem preferido. Mas pra ver se eu estou certo ou não, vamos ter que esperar.


   
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário