{lang: 'en-US'}

terça-feira, 20 de maio de 2014

Obras de Gabriel García Márquez são reintrepretadas por artistas latino-americanos.




Fonte: O Globo.

RIO - Foram personagens que retrataram décadas da América Latina. Pareciam tirados de lendas, mas ao mesmo tempo eram narrados com incríveis traços da realidade de uma região que, século XX adentro, sofreu com governos autoritários, pobreza e corrupção.
Nasceram do encontro da magia e da aridez de um povo — colombiano a princípio, mas com sotaques, costumes e histórias que atravessavam fronteiras. Um deles foi um coronel, pai de 18 filhos batizados com seu nome e tio-avô da mulher mais bela do mundo, que ascendeu aos céus. Outro foi um general ditador, opressor como costumam ser os ditadores e lunático a ponto de proclamar a canonização de sua própria mãe.
Houve ainda a cândida jovem que foi obrigada a se prostituir pela avó desalmada; o homem e a mulher que se apaixonaram por cartas e esperaram cinco décadas para enfim se tornarem um casal; a garota mordida por um cachorro, levada pelo pai para um convento e que acaba apaixonada pelo seu exorcista; o septuagenário veterano de guerra, que aguarda que o governo envie pelo correio sua pensão; e o rapaz jurado de morte por vingança.
Nenhum desses existiu, mas todos se tornaram reais, foram um espelho das sociedades latino-americanas pela literatura de Gabriel García Márquez. O escritor colombiano deixou personagens e leitores órfãos há um mês: em 17 de abril, aos 87 anos, ele morreu na Cidade do México, onde vivia, em decorrência de uma pneumonia. Em todo o mundo, em jornais tradicionais como aqueles em que ele trabalhou numa celebrada carreira na imprensa ou nas redes sociais em que jovens e velhos fãs não param de citar suas obras, lamentou-se que Gabo estava morto.
Gabo era o apelido pelo qual se tornou conhecido entre os amigos e também pelo qual passou a ser chamado por seus leitores, certos de uma intimidade. Conhece-se um escritor por seus livros, e é também por meio deles que Gabo se mantém presente num mundo que, por mais distante que esteja do tempo em que García Márquez se inspirou, ainda sofre com governos autoritários, pobreza e corrupção.
Como um lamento por um mês de sua morte e uma celebração pela eternidade de sua obra, O GLOBO propôs um desafio a sete autores: escolher histórias de Gabo e recriá-las para o Brasil. O convite foi aceito pelo mexicano Juan Pablo Villalobos (que escolheu “Crônica de uma morte anunciada”), pelo argentino Rodrigo Fresán (“Cem anos de solidão”), pelo boliviano Edmundo Paz Soldán (“O outono do patriarca”), pelo colombiano Rafael Gutiérrez (“Ninguém escreve ao coronel”), pela cearense Socorro Acioli (“Do amor e outros demônios”) e pelos gaúchos Paulo Scott (“A incrível e triste história da cândida Erêndira e sua avó desalmada”) e Fabrício Carpinejar — este último, escrevendo notas fictícias a partir dos personagens de García Márquez para a coluna Gente Boa.
O resultado está neste especial ilustrado pelo artista carioca Cavalcante.

Franz diz: esta é uma interessante homenagem ao trabalho de García Márquez. Acessem os links e leiam os trabalhos disponibilizados. Boa leitura!
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário