{lang: 'en-US'}

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Mudança de etnia ou cor da pele impedem uma boa atuação? A polêmica em Ghost in the shell.




Por: Franz Lima. Curta nossa fanpage: Apogeu do Abismo.

A cor ou a raça de um ator ou atriz podem determinar a qualidade de um filme? Segundo algumas pessoas, sim. Vamos aos casos mais recentes da polêmica da mudança de cor ou etnia em adaptações:
1) Doutor Estranho.
O filme mantém uma fidelidade absurda na caracterização do personagem principal, porém mostra um mestre ancião bem diferente. Na verdade, muito diferente daquilo visto nos quadrinhos onde o personagem é um velho oriental. No filme, quem interpreta o Mestre Ancião é a bela Tilda Swilton.
2) Roland Deschain.
O mais amado dos personagens de Stephen King é o protagonista de uma série de 8 livros chamada A Torre Negra. Roland é descrito como um jovem caucasiano,  um homem branco muito próximo a alguns personagens de Clint Eastwood em seu auge no western. No cinema, Roland será interpretado por Idris Elba, ator negro de grande talento. Idris esteve em produções como Thor e Círculo de Fogo.
3) Constantine.
O anti-herói do selo Vertigo é um homem loiro, fumante e dono de um humor negro bem à altura das aventuras que vive. Constantine domina a magia e lida com criaturas sombrias, assim como na aventura homônima estrelada por Keanu Reeves. Os fãs mais radicais do exorcista e praticante de magia não gostaram do visual de Keanu que pouco tem a ver com o Constantine dos quadrinhos (mas a maior diferença está na cor dos cabelos).
4) Major.
A icônica Major é uma das principais estrelas do anime Ghost in the Shell. A animação é uma das produções de ficção mais aclamadas da história e mostra uma Major oriental. Na adaptção, de mesmo nome, a personagem será interpretada por Scarlett Johansson (a Viúva Negra) e tem uma caracterização muito próxima da vista no anime. Entretanto, protestos estão surgindo por conta da atriz ser caucasiana, sem traços orientais.

Em uma análise rápida, posso afirmar que a polêmica é infundada. Scarlett é uma boa atriz e já provou que tem talento para filmes de ação e ficção. Além disso, não estamos falando de um fiasco como ocorreu com o live action de Dragon Ball Z. Há potencial nessa versão de Ghost in the Shell, principalmente se a premissa da história for mantida.
Quanto aos casos recentes de Idris Elba e Tilda Swinton, tenho certeza absoluta que os críticos irão queimar a língua. São atores de grande talento, profissionais que não se restringem a uma classe de filmes, capazes de atuar tanto no drama quanto no humor ou ação. Por que não confiar neles? Não estou falando do filme em si, mas nos atores que, sem dúvida, jamais iriam expor suas carreiras consagradas a fiascos.

Assistam ao teaser trailer de Ghost in the Shell e vejam se é possível iniciar uma caça às bruxas com tão pouco material. Essa onda de criticar sem ver é ruim, mostra um grau de radicalismo desnecessário. 

←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário