{lang: 'en-US'}

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Salem´s Lot - A mansão Marsten (1979). Review comparativo com o livro de Stephen King.





A adaptação começa de forma abrupta, em um ponto que indica o fim da trama, principalmente se você leu a obra original.  O título em inglês é ‘Salems Lot, o mesmo do livro de Stephen King (de 1975), mas no Brasil o filme recebeu o nome de A Mansão Marsten, algo talvez motivado pelo nome do livro em português: A hora do vampiro*. Vale lembrar que o filme foi lançado em 1979, época em que o sucesso de King ainda não o havia elevado ao patamar de Mestre do Horror. Originalmente era uma minissérie em dois episódios, fato repetido em 2004 na nova adaptação.
Ben Mears é um escritor que busca inspiração em uma pequena cidade do Maine, ´Salems Lot. A cidade é parte da infância de Ben e seu retorno causa estranheza em alguns moradores.
Mas Ben não é o único estranho. Straker e seu sócio, Barlow, são os responsáveis não só pela compra de um espaço que se tornou uma loja de antiguidades como, para espanto de todos, compraram a mansão Marsten, um lugar sombrio e abandonado há 20 anos.

Texto: Franz Lima. 
Curtam nossas fanpages:  Apogeu do Abismo e 

Há visíveis diferenças no roteiro do filme que podem incomodar os fãs do livro. Além da caracterização dos personagens, vínculos e comportamentos mostram que a adaptação não foi fiel ao extremo.
Passagens modificadas ou com personagens alterados persistem conforme o filme avança. Alguns parecem se misturar – mesclar - com outros, gerando desconforto para os leitores, mas nada que impeça a compreensão da trama.
Os principais nomes do livro estão preservados na versão cinematográfica: os irmãos Glyck, Susan Norton, Ben, Eva Miller, Larry Crockett, padre Callahan... o que denota a tentativa de preservação da estrutura e da narrativa de King, apesar das limitações que uma versão de 3 horas tem em comparação com um livro de 460 páginas.
Caso não tenha lido o livro, aconselho que o faça para seguir adiante nessa resenha. A partir daqui, spoilers!!!

O início da devastação da cidade de Salem´s Lot surge. Aos poucos a população passa a sofrer os ataques do vampiro cuja real intenção é criar um exército para si. Ninguém é poupado, inclusive crianças. 
Stephen King foi muito esperto ao vincular as relações pessoais e familiares com a tomada da cidade. Barlow, o vampiro, usa os vínculos para matar mais pessoas. Isso ocorre com os Glyck, Eva Miller e outros. A maldição passada por Barlow é silenciosa e covarde, mas eficaz ao exterminar famílias e torná-las escravas de sua vontade.
Um ponto forte do livro é a gradual “vampirização” da cidade. Ben, Susan, Mark, Matt e outros personagens são cercados, literalmente, por uma colônia de vampiros escravos que aumenta em progressão geométrica. Eles presenciam a degradação de amigos e parentes sem que nada possam fazer, mas há espaço para ampliar a empatia do leitor com essas vítimas, já que Stephen King ao longo do livro nos apresenta nuances de dramas e fatos importantes das vidas dessas pessoas. Em suma, o filme peca por não ampliar as histórias dos “coadjuvantes”, enquanto o romance é rico em detalhes, o que cativa o leitor e dá amplitude à narrativa.

Por se tratar de um filme mais antigo, década de 1970, muita coisa ficou a desejar. Não que os filmes dessa época sejam ruins, porém os escassos recursos tecnológicos e os exageros em algumas atuações não impõem medo ao espectador. Há passagens onde o tom caricato – sem essa intenção, óbvio – minimiza o impacto delas.

Eu gostei do filme, mas ele está muito datado e possui limitações que a tecnologia da época impôs, como já dito. Pela quantidade de personagens e as nuances da trama, caberia uma minissérie mais longa para que a trama fosse desenvolvida com tranquilidade, o que facilitaria a compreensão do espectador quando partes excluídas estivessem presentes nessa nova versão. Isso também serviria para atrair um público mais novo. Ao contrário do que ocorreu com Carrie, Salem´s Lot é uma obra que não recebeu o trato devido, principalmente no aspecto dramático, ponto alto do livro.
Algumas caracterizações também não me agradaram, principalmente as de Barlow e Straker. Ambos não passam a força e malignidade citadas no livro. Barlow é uma clara cópia do Nosferatu de Max Schreck, enquanto Straker está frágil quando comparado com o original.
O duelo final entre o bem e o mal é rápido, simples quando comparado ao relato de King. Detalhes importantíssimos são descartados e há algo que deixa a obra mais clichê e previsível ao mostrar Ben e Mark em um confronto direto com um fantasma de seus passados. 
Sei que as comparações não agradam alguns por diminuir a obra de 1979, porém é vital afirmar que o livro de Stephen King, um dos mais importantes de sua carreira, merece uma versão definitiva, à altura daquilo por ele imaginado e, principalmente, completa. Só assim o espectador que leu o livro se sentirá bem. Quanto a quem nunca leu, ver um filme com tantas lacunas se torna um problema, já que a impressão passada é a de a história é fraca, algo absolutamente longe da realidade.

* Apesar de clichê, A Hora do Vampiro é o título mais adequado para o livro de King, principalmente se levarmos em conta a época em que foi lançado no Brasil. Esse título está relacionado ao momento em que o vampiro ganha forças e é um dos mais tensos momentos do romance literário. 
Esse título teve tanta força no país que até outros filmes foram nomeados para lembrá-lo, como os dois A Hora do Espanto, também com o tema 'vampiros'.

Dados Técnicos:

Elenco (em ordem alfabética):
Barbara Babcock -  June Petrie
Barney McFadden -   Ned Tebbets
Bonnie Bartlett   -Ann Norton
Bonnie Bedelia   - Susan Norton
Brad Savage   - Danny Glick
Clarissa Kaye-Mason - Majorie Glick
David Soul  - Ben Mears
Ed Flanders  - Dr. Bill Norton
Elisha Cook Jr.  - Gordon 'Weasel' Phillips
Ernest Phillips  - Royal Snow
Fred Willard  - Larry Crockett
Geoffrey Lewis - Mike Ryerson
George Dzundza  - Cully Sawyer
James Gallery  - Padre Donald Callahan
James Mason  - Richard K. Straker
Joshua Bryant   - Ted Petrie
Julie Cobb - Bonnie Sawyer
Kenneth McMillan  - Parkins Gillespie
Lance Kerwin  - Mark Petrie
Lew Ayres  - Jason Berk
Marie Windsor  - Eva Miller
Ned Wilson  - Henry Glick
Reggie Nalder  - Kurt Barlow
Robert Lussier  - Nolly Gardner
Ronnie Scribner  - Ralphie Glick

Direção: Tobe Hooper

Ano: 1979

Duração: 184 minutos.

Para fechar, uma entrevista (em inglês) com Julie Cobb, a Bonnie Sawyer


←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário