{lang: 'en-US'}

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Homenagem a Steve Jobs e seu legado




A vida sempre nos traz uma novidade. Algumas boas... outras não. Mas não há dúvidas que as coisas e situações novas sempre surgirão, quer gostemos delas ou não.
Algumas novidades duram décadas. Parece estranho falar disso, afinal, como algo pode ser novo durante décadas? Eu também não conhecia a resposta a essa pergunta, até que ouvi falar de Steve Jobs.
Fui usuário de computadores arcaicos, gigantescos e pesados e, na mesma época, como um bom nerd, assistia ao seriado dos Jetsons. Eu sonhava com vídeo-conferências, robôs servos, meios de transporte voadores e máquinas que facilitariam nossas vidas. Por um bom tempo eu acreditei que minha geração não veria estas maravilhas... e me enganei.
Jobs foi um inovador, um empresário e um visionário. De sua mente surgiram revoluções. De sua mente um novo mundo foi criado e superou as expectativas de muitos, inclusive as minhas.
Então, eis que surge um incauto e questiona: o que um ipod, ipad ou iphone trouxeram de tão maravilhoso à minha vida? A pobreza não diminuiu e a tecnologia não está ao acesso de todos. A miséria e a fome continuam, com ou sem as criações de Steve – argumentam alguns.
Bem, o que dizer?
Sabe quando um amigo ou alguém que você ama sofre um acidente e você precisa comunicar com urgência para que o socorro venha? Hoje, isso é algo extremamente fácil, pois basta ter um celular à mão e ligar ou, ainda, mandar uma mensagem de texto – sms – ou conectar-se à rede e usar o twitter, skype ou outra ferramenta para contato. Simples.
Mas nem sempre foi assim. Houve um período em que você estaria carregando quase duas dezenas de fichas para poder ligar... quando encontrasse um orelhão. Muitos morreram por falta de socorro, mais precisamente, por falta de comunicação.
 As inovações podem não tirar a fome do mundo. Elas não são a solução de todos os problemas e não pretendem ser. Contudo, são ferramentas que aprimoram os conhecimentos de um médico, por exemplo, que estuda em seu ipod através de um arquivo de mp3 ou lê seu livro por um ipad (tudo bem, não precisar ser um produto da Apple, mas vale ressaltar que ela lançou e os outros copiaram).
O que deve ser ressaltado neste artigo é o pioneirismo. Li artigos que comparavam Jobs a Henry Ford. Sinceramente, creio que as comparações devem ser deixadas de lado, pois os méritos dele vão além das criações. Steve Jobs era, acima de tudo, humano e suscetível a todos os erros e manias de um homem comum. Sua fortuna, a fama e suas criações ganharam proporções de um gigante e, mesmo assim, ele continuava apenas um homem, sujeito à raiva, à teimosia e sobretudo, à persistência, sua maior virtude.
Todas as conquistas dele são fruto de uma vontade enorme em alcançar a perfeição, de buscar incessantemente por algo que apenas ele via e acreditava. Este é o legado que ele nos deixa.
O exemplo dele como homem pode ter máculas, afinal, ele sempre foi apenas um ser humano como nós mesmos somos. Suas falhas existiram sem que isso o impedisse de continuar na busca dos sonhos. Ele nos ensinou o valor de sonhar. Ele nos deixou a lição do valor da concretização dos sonhos.
Acreditem: as máquinas podem ser destruídas, substituídas por outras mais modernas ou esquecidas. O que permanecerá, entretanto, serão as lições de um homem que acreditou em si mesmo e alcançou o que era inimaginável. Erros todos cometem. Atitude, poucos têm. Legado, apenas os melhores deixam.
Steve, descanse em paz. Sua missão foi cumprida.



 


←  Anterior Proxima  → Página inicial

2 comentários:

  1. Esse cara deveria ter vivido uns 800 anos pelo menos.....

    ResponderExcluir
  2. Imagino a quantidade de inovações que ele teria conseguido com um pouco mais de tempo entre nós.

    ResponderExcluir