{lang: 'en-US'}

domingo, 7 de julho de 2013

O preço da arrogância: a derrota de Anderson Silva.





Por: Franz Lima.
Não vou cair na repetitiva frase que está rolando na web: 'eu sempre detestei o estilo do cara, merecia perder há muito tempo...'.
Na verdade, admiro o jeito bacana e a forma como Anderson Silva se porta nos bastidores do octógono. Ele é um grande lutador, isso é indiscutível, além de um respeitável pai de família. Suas atuações em programas de TV revelam um cara que nasceu para lutar e, felizmente, faz sucesso com o que gosta. 
Mas já venho observando que há algum tempo o lutador usa de um artifício perigoso em suas lutas. Anderson usa da provocação para tirar a concentração de seu adversário. Entretanto, essa provocação consiste em expor o corpo aos ataques do combatente opositor. Além disso, ele mostrava um descaso absurdo por quem o combatia, fato que pode ser de extremo perigo, dada a fragilidade do corpo humano diante de pancadas, principalmente a cabeça.
Só para citar, um soco bem aplicado no queixo pode deslocar o cérebro dentro da caixa craniana e, consequentemente, o "alvo" pode perder os sentidos e, em casos extremos, até falecer. Mas sabemos que um lutador de MMA tem preparo e costume para sustentar e sair relativamente bem de tais ataques. Também sabemos que, infelizmente, nem todo dia a sorte nos sorri.
Ontem foi esse dia. Lutadores brasileiros tombaram diante de seus adversários. Alguns permaneceram em pé, não resta dúvidas, porém suas faces mostravam o abatimento que só a derrota pode estampar. Lutar sempre pode trazer a vitória, só que apenas para um dos lados. O empate sempre deixa a sensação de que algo não ocorreu bem, pois quem luta busca a vitória. 
Não fiquei triste pelas derrotas dos nossos guerreiros. Só é passível de derrota quem se expõe, quem briga por seu lugar ao sol. Admiro cada um daqueles caras que colocam a vida em risco para ascender, ganhar o pão de cada dia. Vejo-os como trabalhadores que, motivados por um sonho, submetem-se ao cansaço, à dor. Só os fortes não recuam diante do bom combate. 


Contudo, algo estava muito errado. Após uma saída digna do jiu-jitsu, o Spider dava claros indícios de que dominaria a luta, principalmente pelo fato de que Chris Weidman aceitou lutar em pé, na trocação pura. 
começado o segundo round, eis que vejo a face da arrogância e da loucura se estamparem em Anderson Silva. Com extremo descaso e desrespeito, o lutador brasileiro conseguiu com que até alguns de seus fãs mais ardorosos reprovassem suas atitudes. Resultado das brincadeiras e do deboche? Uma série de dezesseis lutas vitoriosas foi quebrada de forma vergonhosa.
O pior, acreditem, ainda estava por vir. Durante as entrevistas no próprio octógono, Spider foi vaiado por quase todos no MGM. Ok, a luta foi em solo estadunidense e o vencedor é norte-americano, fatos que contam para as vaias, mas não há como negar que até o público brazuca ficou revoltado com as atitudes de Anderson que resultaram na derrota e na perda do cinturão.
Silva disse que não pretende lutar pelo cinturão novamente, algo nitidamente motivado pelo estresse da derrota. Ele lutará, não duvidem. Entretanto, quando sua chance de encarar Weidman novamente chegar, teremos um guerreiro no tablado do octógono, não um  artista da comédia. Quando essa hora chegar, tenho a firme convicção de que teremos o titulo outra vez conosco... e de forma honrada.
←  Anterior Proxima  → Página inicial

2 comentários:

  1. Perdão, Franz, devo discordar de você e da grande maioria dos brasileiros. O Anderson lutou bem, como sempre lutou nos últimos sete anos. Escapou de uma derrota certa quando saiu da imobilização. Tentou abalar o seu adversário emocionalmente, como sempre fez.

    Se ele tivesse ganhado todo mundo tava aplaudindo e rindo de como ele derrotou o cara, como perdeu o brasileiro já se volta contra ele. É a grande hipocrisia de todos os brasileiros, aconteceu o mesmo com o Dunga, invicto exceto por um único jogo.

    Foi uma grande luta, só que o Weidnam sabia como o Anderson lutava e conseguiu ser o único que resistiu e que desestabilizou o Anderson ao não entrar no jogo dele. Conseguiu atacar na hora certa para o Anderson não vencer no contra ataque, como sempre faz.

    Sem ser atacado o Anderson perde grande caracteristica e estilo do jogo dele. Isso é luta, quem conhece sabe que foi uma luta violenta e o americano mereceu por saber não cair no jogo do Anderson, foi forte emocionalmente e por isso ganhou.

    Outra coisa, foi invicto contra invicto, não se esqueça. São os melhores, e a força emocional do Weidnam, não o estilo do Anderson que determinou o vitorioso na luta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rainier, discordar é um direito que todos temos. Há grande parte de coerência no que diz. Estou reavaliando essa contenda e vou publicar um novo texto onde irei expor uma visão diferente do que escrevi. Grande abraço...
      Franz.

      Excluir