{lang: 'en-US'}

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Resenha de 'O Futuro da Humanidade', de Augusto Cury




Por: Isaac de Souza

      O renomado autor de maravilhosos livros de auto-ajuda se arrisca nas veredas do romance pela primeira vez. Tenho a esperança de que tenha sido a última.

Sempre desconfiei de livros cujo prefácio tenha sido escrito pelo próprio escritor da obra por não me parecer muito confiável. Ler o prefácio deste livro de capa muito bonita é como ouvir um monólogo de auto elogio em que o autor, após rasgar seda para si mesmo, expõe um pouco da história que será lida. O problema é que os capítulos 1 a 3 são uma releitura do prefácio o que torna a leitura tediosa.

Vencidos os primeiros capítulos na esperança de encontrar um romance interessante, o leitor se decepcionará profundamente ao se deparar com uma história boba, infantil, ingênua de um estudante de medicina que se choca com o cadáver de um mendigo e ao tentar resgatar o passado deste, encontra um outro mendigo PhD em filosofia que mudará para sempre seu destino e sua vida. O mendigo e o estudante passam a se divertir fazendo discursos inflamados no parque da cidade e, pasmem, todos os passantes param para ouvir e abraçar as arvores e dialogar com as flores. Em meados do livro percebi que não se trata de fato de um romance, mas um livro de auto ajuda disfarçado, com seus tradicionais monólogos longos e intromissões explicativas do autor. Talvez o livro consiga prender a atenção de estudantes de psiquiatria ou psicologia.

Se o leitor decidir lê-lo como mais um livro de auto-ajuda, no que Augusto Cury é expert, talvez consiga vencer o sonífero no qual as páginas foram embebidas. A partir do capítulo 14 a história muda bastante quando o estudante se forma e se afasta um pouco de seu amigo mendigo PhD filósofo. Infelizmente o padrão de narrativa não muda junto com a história. Fazendo uma comparação com o cinema a melhor descrição deste livro poderia se resumir ao bonequinho dormindo na poltrona.
←  Anterior Proxima  → Página inicial

3 comentários:

  1. Nunca curti muito o Cury... Já li 3 livros dele, mas não dá... DX

    ResponderExcluir
  2. Achei muito interessante a sua crítica, porém, ao mesmo tempo acho ela exagerada. A escrita de Curry não apresenta um modo cansativo, muito pelo contrário, apresenta uma forma gostosa de se ler, onde o autor consegue prende-lo pelo fato de surpreender em cada frase. Não é infantil uma pessoa se questionar o porque das coisas, esse preceito simples de filosofia vem sendo esquecido com o passar das décadas. Se este romance parece auto ajuda é pelo fato de com esta bela história o autor conseguir mostrar ao leitor o quão lindo é a vida, e que não importa o tão baixo você estiver ( como o mendigo) você pode se reerguer. É uma brilhante história reflexiva e que vale muito a pena ser lida.

    ResponderExcluir
  3. Ótimo texto de resenha. Meus parabéns! Amei a maneira que vc usou para se expressar, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura...a capa do livro é linda ela traz o universo como tema.
    http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=78725243

    ResponderExcluir